A linguagem como ponte de passagem para a "Experiência Superior"

Autores

  • Maria João Cantinho Universidade Clássica de Lisboa, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.5216/rth.v24i2.71172

Palavras-chave:

Linguagem, Messianismo, História, Experiência , Tradução

Resumo

É sobejamente conhecida a influência de Georg von Hamann e da sua filosofia da linguagem na formação do jovem Walter Benjamin. A recusa da instrumentalização da linguagem e a sua concepção da língua pura e messiânica, no texto de 1916, Sobre a Linguagem em Geral e sobre a Linguagem Humana, onde defende a sua crítica à concepção burguesa daquela e recusa a linguagem como médium, nasce de um contexto peculiar que constituirá um dos vectores fundamentais do seu pensamento. Não apenas Hamann se configura como um autor privilegiado, que cita nesse texto, como também bebe em outros autores, como Hermann Cohen, neo-kantiano, e ainda procura nos cabalistas (que conheceu através das traduções de Molitor e Baader) a génese de uma concepção messiânica da linguagem. Neste texto, elenco, não apenas esses autores que marcaram a sua concepção da linguagem, como também o modo como Benjamin integrou essa influência e ela tomou novas configurações no seu pensamento. É na linguagem, na experiência e na história que o jovem Benjamin firma, desde muito cedo, as bases do seu pensamento e da sua obra e estabelece com os seus autores um diálogo, de que se procura aqui dar conta. Porém, o que mais interessa, não é tanto as marcas do seu pensamento, mas sobretudo o modo como essas marcas se inscreveram na singularidade da sua obra.

Biografia do Autor

Maria João Cantinho, Universidade Clássica de Lisboa, Lisboa, Portugal

Currículo: https://cful.letras.ulisboa.pt/people/maria-joao-cantinho/

Referências

AGAMBEN, G. La Communauté qui vient: Théorie de la singularité quelconque. (M. Raiola, Trad.) Paris: Seuil, 1990.

AGAMBEN, G. Langue et Histoire. Catégories historiques et catégories linguistiques dans la pensée de Walter Benjamin. Em H. Huisman, Walter Benjamin et Paris. Paris: Éditions du Cerf, 1983.

AGAMBEN, G. Le Langage et la Mort. Paris: Christian Bourgois, 1991.

BENJAMIN, W. «Über das Programm der Kommenden Philosophie». Em W. Benjamin, Gesammelte Schriften (Vols. II, 1). Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1972.

BENJAMIN, W. Briefe I. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1993.

BENJAMIN, W. Briefe II. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1993.

BENJAMIN, W. Gesammelte Schriften I, 3. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1972.

BENJAMIN, W. Über Sprache überhaupt und über die Sprache des Menschen. Em W. Benjamin, Gesammelte Schriften, II, 1. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1972.

BENJAMIN, W. Ursprung des deutschen Trauerspiels. Em W. Benjamin, Gesammelte Schriften, I, 1. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1972.

BERMAN, A. L'Âge de la Traduction. Paris: Presses Universitaires de Vincennes, 2008.

BERMAN, A. L'épreuve de l'Étranger. Paris: Flammarion, 1995.

FENVES, P. Arresting Language: From Leibniz to Benjamin. Stanford: Stanford University Press, 2001.

HAMANN, G. V. Aesthetica in Nuce. Paris: Jean Vrin, 2001.

HAMANN, G. V. Metacrítica sobre o Purismo da Razão. In: JUSTO, J. M. Ergon ou Energeia, Filosofia da Linguagem na Alemanha, sécs XVIII e XIX. Lisboa: apáginastantas, 1986.

MENNINGHAUS, W. Walter Benjamins Theorie der Sprachemagie. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1980.

MOLDER, M. F. A Crítica de Hamann a Kant: O Pensamento a Braços com os seus Sinais de Nascença. In: GIL, F. Recepção da Crítica da Razão Pura, Antologia de Escritos sobre Kant. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1992.

MOLDER, M. F. O Pensamento Morfológico de Goethe. Lisboa: INCM, 1995.

MOLDER, M. F. Semear na Neve. Lisboa: Relógio d'Água, 1999.

SCHOLEM, G. Walter Benjamin, Histoire d'une Amitié. (P. K. Errera, Trad.) Paris: Calmann-Lévy, 1981.

SELIGMANN-SILVA, M. Ler o Livro do Mundo. Walter Benjamin: Romantismo e Crítica Literária. São Paulo: Iluminuras, 1999.

SZONDI, P. Espoir dans le passé. À propos de Walter Benjamin. Em P. SZONDI, Poésie et poétiques de la Modernité. Lille: Presses Universitaires de Lille, 1961. pp. 33-48.

TAGLIACOZZO, T. Esperienza e compito infinito nella filosofia del primo Benjamin. Roma: Quodlibet, 2003.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

CANTINHO, M. J. A linguagem como ponte de passagem para a "Experiência Superior". rth |, Goiânia, v. 24, n. 2, p. 38–53, 2021. DOI: 10.5216/rth.v24i2.71172. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/teoria/article/view/71172. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos de dossiê