OUTROS MODOS DE PENSAR E SONHAR

A EXPERIÊNCIA ONÍRICA EM REINHART KOSELLECK, AILTON KRENAK E DAVI KOPENAWA

  • Thamara de Oliveira Rodrigues Universidade do Estado de Minas Gerais
Palavras-chave: Sonhos/experiência onírica; Ailton Krenak; Davi Kopenawa; filosofias ameríndias; Reinhart Koselleck

Resumo

A partir de uma prática epistêmica que procura assegurar a diferença, este trabalho se constitui em um diálogo necessário entre a Teoria da História e áreas afins, a saber: a Filosofia e a Antropologia, e integra uma pesquisa que investiga as reflexões de Reinhart Koselleck, Ailton Krenak e Davi Kopenawa sobre a experiência onírica. Neste artigo, procuro destacar que as abordagens dos autores sobre os sonhos oferecem aberturas críticas aos modos de vida e de pensar ocidental, impactando nossa relação com o conhecimento e também com os desafios sócio-políticos atuais. O artigo realiza, inicialmente, um breve panorama do que seria a atividade onírica no interior da tradição ocidental. Em seguida, na contramão dessa trajetória, são apresentadas as reflexões de Koselleck e dos autores ameríndios. Na última seção, justifica-se a escolha epistemológica, ética e política pelos autores e pelo tema junto à perspectiva da “história dos vencidos” (dos silenciados) proposta por Koselleck, buscando contribuir para os exercícios de desconstrução da colonialidade.

Biografia do Autor

Thamara de Oliveira Rodrigues, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professora da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Licenciada (2011), mestre (2014) e doutora (2019) em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Realizou estágio durante o mestrado e o doutorado no Departamento de Literatura Comparada da Universidade de Stanford (2014/2017-2018). Possui pesquisas ligadas à Teoria da História, à História da Historiografia Brasileira, às Epistemologias Populares e à História do Brasil Imperial e Contemporâneo. É uma das editoras responsáveis pelo portal HH Magazine: Humanidades em rede, voltado para divulgação pública do conhecimento relacionado às Ciências Humanas. Integra a huManas: pesquisadoras em rede e o Laboratório X de Encruzilhadas Filosóficas (UFRJ). Entre seus projetos atuais dedica-se à investigação do pensamento onírico e sua relação com a experiência histórica e com a temporalidade contemporânea. Também investiga formas de experiência estética da cultura cotidiana brasileira dos anos 1970. Foi professora substituta de História do Brasil Contemporâneo na UFOP (2019) e professora do curso de Especialização Lato Sensu em História do Brasil da Universidade Católica de Petrópolis (2013-2014).

Referências

ARAUJO, Valdei. História da historiografia como analítica da historicidade. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 6, n. 12, p. 34-44, 2013.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

AUERBACH, Erich. Mimeses. A representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BERADT, Charlotte. Sonhos do Terceiro Reich. Com o que sonhavam os alemães depois da ascensão de Hitler. São Paulo: Três estrelas, 2017.

BIANCHI, Guilherme. Arquivo histórico e diferença indígena: repensando os outros da imaginação histórica ocidental. In.: Revista de Teoria da História, v. 2, n. 0, p. 264-296, 2019.

BRASIL. Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, 2008.

CHAKRABARTY, Dipesh. Provincializing Europe: Postcolonial thought and historical difference. Princeton University Press, 2008.

COSTA LIMA, Luiz. O Controle do Imaginário. Razão e imaginação nos tempos modernos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

DERRIDA, Jacques. Mitologia branca. In: Margens da Filosofia. Campinas: Papirus, 1991, p. 249-314.

DESCARTES, René. Meditações metafísicas. Coleção “Os pensadores”. São Paulo: Editora Abril, 1973, p. 81-152.

DOMANSKA, Ewa. El “viarajeperformativo” en la humanística actual. Criterios, La Habana. N. 37, p. 125-142, 2011.

DOMANSKA, Ewa. The Material Presence of the Past. History and Theory, n. 45, p. 337-348, October 2006.

DOMANSKA, Ewa. “Affirmative Humanities”. In.: History-theory-criticism, n. 1, p. 9-26, 2018.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação. Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Unesp, 2000.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. Rio de Janeiro: Imago editora, 1999.

FREUD, Sigmund. Revisão da teoria onírica. In. Obras completas (1930-1936), v. 18. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 126-157.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Vozes, 1997.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Nosso amplo presente. O tempo e a cultura contemporânea. São Paulo: Ed. Unesp, 2015.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosfera, ambiência, Stimmung. Sobre um potencial oculto na literatura. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-RJ, 2014.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença. O que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-RJ, 2010.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Pirâmides do espírito. Sobre a rápida ascensão, as dimensões invisíveis e o súbito esmorecimento do movimento da história dos conceitos. In.: Graciosidade e Estagnação – Ensaios escolhidos. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-Rio, 2012, p. 15-59.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Da hermenêutica edipiana à filosofia da presença. [Uma fantasia autobiográfica]. In.: Serenidade, presença e poesia. Belo Horizonte: Relicário, 2016, p. 131-158.

HADDOCK-LOBO, Rafael. Os fantasmas da colônia. Notas de Desconstrução e Filosofia Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Ape’Ku, 2020.

HADDOCK-LOBO, Rafael. Por que Filosofia popular brasileira? In.: HH Magazine: humanidades em rede. 22 de janeiro de 2020. Disponível em: https://hhmagazine.com.br/por-que-filosofia-popular-brasileira/. Último acesso em: 02/02/2020.

HADDOCK-LOBO, Rafael. Por uma filosofia das matas. HH Magazine: humanidades em rede. 12/06/2019. Disponível em: http://hhmagazine.com.br/809-2/. Último acesso em: 05/02/2020.

HADOT, Pierre. Reflexões sobre a noção de “cultura de si”. In.: Revista Filosófica de Coimbra, n. 51, p. 183-204, 2017.

HEIDEGGER, Martin. A questão da Técnica. In: scientiæ zudia, São Paulo, v. 5, n. 3, p. 375-98, 2007.

HOFFMANN, Stefan-Ludwig. Koselleck, Arendt, and the Anthropology of Historical Experience. History and Theory, n. 49, p. 212-236, 2010.

HUSSERL, Edmund. Meditações Cartesianas: uma introdução à fenomenologia. Porto: Rés, s.d.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu. Palavras de um xamã Yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, PUC-Rio, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise. Uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: Ed. UERJ/Contraponto, 1999.

KOSELLECK, Reinhart. Posfácio. In.: Sonhos do Terceiro Reich. Com o que sonhavam os alemães depois da ascensão de Hitler. São Paulo: Três estrelas, 2017, p. 163-182.

KOSELLECK, Reinhart. The practice of conceptual history: timing history, spacing concepts. Stanford: Stanford University Press, 2002.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos de tempo. Estudos sobre História. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-RIO, 2014, p. 229-246.

KRENAK, Ailton. Antes, o mundo não existia. In.: NOVAES, Adauto. Tempo e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 201-204.

KRENAK, Ailton. Ideais para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das letras, 2019.

KRENAK, Ailton. O tradutor do pensamento mágico. Entrevista. Revista Cult, ano 22, edição 251, 2019, p. 10-17.

LIBRANDI-ROCHA, Marília. A Carta Guarani Kaiowá e o direito a uma literatura com terra e das gentes. In.: Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 44, p. 165-191, 2014.

LIBRANDI-ROCHA, Marília. Escutar a escrita: por uma teoria literária ameríndia. O eixo e a roda, v. 21, p. 179-202 n. 2, 2012.

LÖWITH, Karl. Meaning in History. Chicago and London: The University of Chicago Press, 1949.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona, 2014.

RANGEL, Marcelo; ARAUJO, Valdei. Introduction - Theory and History of Historiography: from the Linguistic Turn to the Ethical-Political Turn. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 8, n. 17, p. 333-346, 2015.

RANGEL, Marcelo. The urgency of the ethical: the ethical-political turn in the theory of history and in the history of historiography. Ponta de lança (UFS), v. 13, p. 27-46, 2019.

RIBEIRO, Sidarta. O oráculo da noite. A história e a ciência do sonho. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

RODRIGUES, Thamara de Oliveira. Theory of history and history of historiography: Openings for unconventional histories. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 12, n. 29, p. 96-123, 2019.

RUFINO, Luiz; SIMAS, Luiz Antonio. Fogo no mato: A ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

RUFINO, Luiz; SIMAS, Luiz Antonio. Flecha no tempo. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. Um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004, p. 735-768.

SCHMITT, Jean-Claude. Os vivos e os mortos na sociedade medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

SCHMITT, Jean-Claude. Corpo, os ritos, os sonhos, o tempo: Ensaios de antropologia medieval. Petrópolis: Editora Vozes: 2018.

SEBASTIÁN, Javiér Fernández; FUENTES, Juan Francisco. Conceptual history, memory, and identity: an interview with Reinhart Koselleck. In.: Contributions to the History of Concepts, v. 2, 2006, p. 99-127.

OLSEN, Niklas. History in the plural – An introduction to the work of Reinhart Koselleck. New York/Oxford: Berghahn, 2012.

TAYLOR, Charles. As fontes do “self”: a construção da identidade moderna. São Paulo: Loyola, 2010.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais. Elementos para uma antropologia pós-estruturais. São Paulo: Ubu, 2009a.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. The gift and the given: Threenano-essays on kinship and magic. In.: BAMFORD, Sandra; LEACH, James (Ed.). Kinship and beyond: the genealogical model reconsidered. New York: Berghahn Books, 2009b, p.237-268.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Prefácio – O recado da mata. In.: A queda do céu. Palavras de um xamã Yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p. 11-41.

Publicado
31-07-2020
Como Citar
de Oliveira Rodrigues, T. (2020). OUTROS MODOS DE PENSAR E SONHAR: A EXPERIÊNCIA ONÍRICA EM REINHART KOSELLECK, AILTON KRENAK E DAVI KOPENAWA. Revista De Teoria Da História | Journal of Theory of History, 23(1), 152 - 177; 178 . https://doi.org/10.5216/rth.v23i1.62894