O acervo arqueológico no Museu da Amazônia (MUSA):

formação, organização, documentação e informatização

Autores

  • Meliam Viganó Gaspar Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.
  • Maria Luiza Clapis Pacheco Chaves Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.
  • Lucy Gomes de Souza Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.
  • Iberê Fernando Martins Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.
  • Filippo Stampanoni Bassi Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Palavras-chave:

Arqueologia, .Coleções arqueológicas, Instituição de guarda, Documentação

Resumo

O Museu da Amazônia (MUSA), em Manaus, é uma instituição que se propõe a contar a história da Amazônia a partir da perspectiva de diferentes áreas do conhecimento, dentro da própria floresta. Desde sua fundação, além dos seres que abriga em suas dependências, o museu também acumulou um acervo de objetos variados, sendo que o interesse na pesquisa arqueológica permitiu o cadastramento do museu enquanto instituição de guarda e pesquisa para o endosso de pesquisas arqueológicas. Desenrolando então as ações necessárias para a preservação e divulgação desse acervo, a instituição avançou com um projeto para sua organização. Neste artigo, apresentamos as coleções arqueológicas e discutimos a importância social que os diferentes modos de aquisição e tratamento revelam sobre esses objetos. Apresentamos nosso debate em torno da catalogação e de algumas das escolhas que fizemos para permitir que as informações relevantes possam ser acessadas por todas as pessoas interessadas, cumprindo então o papel do museu na divulgação do patrimônio cultural.

Biografia do Autor

Meliam Viganó Gaspar, Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Doutora em Arqueologia pelo MAE/USP, pós-doutoranda no Museu da Amazônia (MUSA)

Maria Luiza Clapis Pacheco Chaves, Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Doutora em Filosofia – Estudos de Sistemas pela Universidade de Lyon, pós-doutoranda no Museu da Amazônia (MUSA)

Lucy Gomes de Souza, Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Doutora em Zoologia pelo MN/UFRJ, pós-doutoranda no Museu da Amazônia (MUSA)

Iberê Fernando Martins, Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Mestre em Antropologia pela UFPA, pesquisador no Museu da Amazônia (MUSA)

Filippo Stampanoni Bassi, Museu da Amazônia (MUSA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Doutor em Arqueologia pelo MAE/USP, diretor científico do Museu da Amazônia (MUSA)

Referências

ALMEIDA, Alfredo W. B. de. Museus indígenas e quilombolas: os novos significados do conceito de processo de patrimonialização Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 37, p. 39-57, 2018.

BARRETO, Cristiana; MACHADO, Juliana S. Exploring the Amazon,explaining the unknown: views from the past. In: MCEWAN, C.; BARRETO, C.; NEVES, E. G. (ed.). Unknown Amazon: studies in visual and material culture. London: The British Museum Press, 2001. p. 232-251.

BARROS, Elen C. de C. Diagnóstico da destruição: os efeitos da expansão urbana sobre os sítios arqueológicos de Manaus/AM, 2016. Dissertação (Mestrado Profissional) – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, 2016.

BEZERRA, Marcia. Os sentidos contemporâneos das coisas do passado: reflexões a partir da Amazônia. Revista Arqueologia Pública, Campinas, v. 7, n. 1, p. 107-122, 2013.

BEZERRA, Marcia. Com os cacos no bolso: o colecionamento de artefatos arqueológicos na Amazônia brasileira. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 38, p. 85-99, 2018.

O Acervo Arqueológico no Museu da Amazônia (MUSA): história de formação, organização e documentação Meliam Viganó Gaspar • Maria Luiza Clapis Pacheco Chaves, et al... BEZERRA, Marcia; NAJJAR, Rosana. “Semióforos da riqueza”: um

ensaio sobre o tráfico de objetos arqueológicos. Revista Habitus,

Goiânia, v. 7, n. 1/2, p. 289-307, 2009.

BRUNO, Cristina. Musealização da Arqueologia: caminhos percorridos.

Revista de Arqueologia, v. 26, n. 2 / v. 27, n. 1, p. 4-15, 2014.

CABRAL, Mariana P.; PEREIRA, Daiane; BEZERRA, Marcia. Patrimônio

Arqueológico da Amazônia: a pesquisa, a gestão e as pessoas.

Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 38, p.

-268, 2018.

CALDARELLI, Solange B.; CÂNDIDO, Manuelina M. D. Desafios da

Arqueologia Preventiva: como gerir e socializar o imenso volume

de materiais e documentos por ela produzidos? Revista Arqueologia

Pública, Campinas, SP, v. 11, n. 2[19], p. 186–214, 2017.

DOI: 10.20396/rap.v11i2.86495522017.

CHMYZ, Igor. Terminologia arqueológica brasileira para a cerâmica.

Cadernos de Arqueologia, Paranaguá: Museu de Arqueologia

e Artes Populares, n.1, p. 119-148, 1976.

CIDOC; ICOM. Declaração dos princípios de documentação em

museus e Diretrizes internacionais de informação sobre objetos:

categorias de informação do CIDOC/Comitê Internacional

de Documentação (CIDOC). Conselho Internacional de Museus

(ICOM): Tradução, Roteiro, Editoração e Documentação; Revisão

técnica Marilúcia Bottallo. São Paulo: Secretaria de Estado de

Cultura de São Paulo; Associação de Amigos do Museu do Café;

Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2014.

COLARDELLE, Michel. La vocation démocratique d’un musée. Diversité, n. 148, p. 61-68, 2007.

COSTA, Carlos A. S.; COMERLATO, Fabiana. Você me daria um “cheque em branco”? Um olhar sobre o endosso institucional em projetos de Arqueologia. Revista de Arqueologia, v. 26, n. 2/ v. 27, n. 1, p. 115-131, 2014.

COSTA, Fernando W.; LIMA, Helena P.; FARIAS, Sarah Paiva de; COSTA, Bernardo Lacale. Levantamento Arqueológico no Município de Manaus/AM. Relatório técnico do Programa Brasil Patrimônio Cultural. MinC/IPHAN/ la Superintendência Regional Manaus/Am. 2006.

DAVALLON, Jean; GRANDMONT, Gérald; SCHIELE, Bernard (ed.). L’environnement entre aumusée. Lyon/Québec: Presses Universitaires

de Lyon/ Musée de La Civilisation de Québec, 1992.

DELOCHE, Bernard. La nouvelle culture: La mutation des pratiques sociales ordinaires et l’avenir dês institutions culturelles. Paris: l’Harmattan, 2007.

MUSEU DA AMAZÔNIA (MUSA). Estatuto Social do MUSA. Manaus,

FERREZ, Helena D. Tesauro de objetos do patrimônio cultural nos museus brasileiros. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 2016.

GOMES, Jaqueline; COSTA, Rafael B.; SANTOS, Bernardo L. S. da Costa. Arqueologia comunitária na Reserva Amanã: história, alteridade e patrimônio arqueológico. Amazônica – Revista de Antropologia, Belém, n. 2, v. 6, p. 385-417, 2014.

HARPING, Patrícia. Introdução aos vocabulários controlados: terminologia para a arte, arquitetura e outras obras culturais. São Paulo: Secretaria da Cultura do Estado: Pinacoteca de São Paulo: ACAM Portinari, 2016.

ICOM. Mesa-Redonda de Santiago do Chile. Santiago, 1972. INSTITUTO PORTUGUÊS DE MUSEUS. Normas de inventário Arqueologia. 2000. Disponível em: http://matriznet.dgpc.pt/MatrizNet/ Download/Normas/ARQ_NormasGerais.pdf. Acesso em: abril de 2021.

LIMA, Helena P. Patrimônio para quem? Por uma arqueologia sensível. Habitus, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 25-38, 2019.

LIMA, Helena P.; MORAES, Bruno M.; PARENTE, Maria Tereza V. “Tráfico” de material arqueológico, turismo e comunidades ribeirinhas: experiências de uma arqueologia participativa em Parintins,Amazonas. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, n. 8,p. 61-77, 2013.

LOUREIRO, José Mauro Matheus. Entre “natureza morta” e cultura viva: os museus de história natural. Revista da SBHC, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 159-172, 2007.

MACHADO, Juliana S. Arqueologia e História nas construções de continuidade na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, Belém, v. 4, n. 1, p. 57-70, 2009.

MEIRELLES FILHO, João; MARTINS, Fernanda de O. A Amazônia viajante “até dizer chega”: a contribuição dos viajantes ao porvir amazônico - do século 16 ao fim do ciclo da borracha. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 37, p. 73-97, 2018.

WICHERS, Camila A. Dois enquadramentos, um mesmo problema: os desafios da relação entre museus, sociedade e patrimônio arqueológico. Revista de Arqueologia, v. 26/27, n. 2/1, p. 16-39, 2014.

MOTTA, Dilza F. da; OLIVEIRA; Leandra de. Tesauro da cultura material dos índios. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2006.

MUSÉUM D’HISTOIRE NATURELLE. Du Muséum au Musée dês Confluences. Lyon: EMCC, 2005.

NEVES, Eduardo. Archaeological cultures and past identities in the Pre-colonial Central Amazon. In: HORNBORG, A.; HILL, J. (eds.).Ethnicity in ancient Amazonia: reconstructing past identities from archaeology, linguistics, and ethnohistory. Boulder, CO: University Press of Colorado, 2011. p. 31-56.

NOELLI, Francisco S.; FERREIRA, Lucio M. A persistência da teoria

da degeneração indígena e do colonialismo nos fundamentos da arqueologia brasileira. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 1239-1264, set./dez. 2007.

PARENTI, Fabio. Pré-Biblio: Bibliografia Georeferenziata Della Preistoria e Della Protostoria Italiana: Struttura del progetto erpimiis rultati. Archeologia e Calcolatori, v. 18, p. 1-18, 2007.

PEREIRA, Daiane. Perspectivas da curadoria arqueológica: o caso do Laboratório de Arqueologia Peter Hilbert. Monografia (Especialização em Patrimônio Arqueológico da Amazônia) – Universidade Estadual do Amapá, 2012.

RIBEIRO, Berta. Dicionário do artesanato indígena. Belo Horizonte:

Itatiaia, 1988.

RIVIÈRE. Georges Henri; Associationdes Amis de Georges Henri Rivière. La muséologieselon Georges Henri Rivière. Dunod: Paris, 1989. RUSSEL, Roslyn; WINKWORTH, Kylie. Significance 2.0: a guide to assessing the significance of collections. 2 ed. Canberra: Collections Council of Australia Ltd, Australian Government through funding from the Department of the Environment, Water, Heritageandthe Arts, 2003.

SALLÉS, Jaime M.; TOCCHETTO, Fernanda B.; DODE, Susana dos S.; SOUZA, Taciane S.; SILVA, Fabio B.; DUTRA, Márcia R. R.; MEDEIROS, Eneri J. B.; ALVES, Clarice da S.; DOMINGUES, Bibiana S. Protocolo de ingresso de acervos arqueológicos em instituições de guarda e pesquisa: uma proposta do LÂMINA/UFPEL e do Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo – RS. Revista de Arqueologia

Pública, Campinas, v. 11, n. 2, p. 6-24, 2017.

SANTOS, Maria Célia T. M. Reflexões sobre a nova museologia. Revista do Museu de Antropologia, Goiânia, v. 5/6, n. 1, p. 250- 291, 2001/2002.

SILVA, Letícia Dutra Romualdo; SILVA, Martha Maria de Castro. Acervos arqueológicos pré- históricos. O inventário como ferramentaessencial de política de gestão. In.: Campos, G.N. e Granato, M. (Ogs.) Anais do IV Seminário de Preservação de PatrimônioArqueológico. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), 2016. p. 389-400.

TAMANAHA, Eduardo K.; AMARAL, Márcio; CASSINO, Mariana F.; CUNHA LIMA, Silvia; NEVES, Eduardo G.; FURQUIM, Laura P.; LIMA, Márjorie; SILVA, Maurício A.; GOMES, Jaqueline; CARNEIRO, Carla G. Diálogos e Práticas Arqueológicas. In: NASCIMENTO, A. C. S.; MARTINS, M. I. F. P. O.; GOMES, M. C. R. L.; FERREIRA-FERREIRA, J.; FRANCO, C. L. B.; SOUZA, M. J. S. (org.). Sociobiodiversidade da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. 1ed. Tefé: IDSM, v. 1, 2019. p. 152-168.

TRIGGER, Bruce. História do Pensamento Arqueológico. São Paulo: Odysseus, 2004.

VELTHEM, Lucia H. O objeto etnográfico é irredutível? Pistas sobre novos sentidos e análises. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, Belém, v. 7, n. 1, p. 51-66, 2012. Doi: 10.1590/ S1981-81222012000100005

WEBSTER, G. S. Culture history: a culture-historical approach. In:BENTLEY, R. A.; MASCHNER, H. D. G.; CHIPPINDALE, C. (Eds.) Handbook of Archaeological theories.Lanham: AltaMira Press,2008. p. 11-27.

Downloads

Publicado

23-09-2021

Como Citar

VIGANÓ GASPAR, M.; CHAVES, M. L. C. P. .; GOMES DE SOUZA, L. .; FERNANDO MARTINS, I. .; STAMPANONI BASSI, F. . O acervo arqueológico no Museu da Amazônia (MUSA): : formação, organização, documentação e informatização. Hawò, [S. l.], v. 2, 2021. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/hawo/article/view/68776. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Museus e coleções arqueológicas: perspectivas antropológicas