As gramáticas eróticas do Batuko cabo-verdiano

Autores

  • Carla Indira Semedo Universidade Jean Piaget de Cabo Verde, Cidade da Praia, Ilha de Santiago, Cabo Verde

Palavras-chave:

Batuko, Ku Torno, Desejos, Cabo Verde

Resumo

Batuko, gênero músico-coreográfico de Cabo Verde, país africano, tem sido recriado enquanto um espaço marcadamente feminino, ainda que haja alguma presença masculina. Visando pensar como pode agregar modos diferenciados de ver o mundo, particularmente das mulheres batukadeiras, através das formas diferenciadas de construção dos corpos e desejos, proponho uma associação entre a gramática erótica do Batuko e o conceito deleuze-guatarriano de máquinas desejantes. As noções estéticas do dar Ku Torno, as noções de desejo e, de erotismo acionadas pelas mulheres kutornadeiras, em algum momento, subvertem e destabilizam os espaços micropolíticos cabo-verdianos dos sujeitos.

Referências

AMÂNCIO, L. Masculino e feminino: a construção social da diferença. 2. ed. Lisboa: Editora Afrontamento, 1998.

ANDRADE, E. As Ilhas de Cabo Verde da “Descoberta” à Independência Nacional (1460-1975). Paris: L’Harmattan, 1995.

BRAZ, J. Mornas e Coladeiras de Cabo Verde: versões musicais duma nação. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Departamento da Antropologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2004.

BUTLER, J. Performative acts and gender constitution: an essay in phenomenology and feminist theory. In: BIAL, H. The Performance Studies Reader. London: Routledge, 2004. p. 57-70.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, G. L. (Org). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2000. p. 151-172.

CABO VERDE. Boletim Oficial, Praia, n. 13, p. 2, 31 mar. 1866.

CSORDAS, T. Corpo/Significado/Cura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

DE CERTEAU, M. A invenção do quotidiano: artes de fazer. 9. ed. Petrópolis: Editora Vozes. 2003. Tomo I.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

DUARTE, L. F. D. Pouca vergonha, muita vergonha: sexo e moralidade entre as classes trabalhadoras urbanas. In: LEITE LOPES, J. S. (Org.). Cultura & Identidade Operária: aspectos da cultura da classe trabalhadora. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1987. p. 45-60.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 5 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. 4 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1989.

INE (Instituto Nacional de Estatística). Censo demográfico. Praia-Cabo Verde, 2010.

LOPES, J. A palavra morna. Cabo Verde: Boletim de Propaganda e Informação, Praia-Cabo Verde, ano V, n. 53, p. 27-28, 1 fev. 1974.

MARIANO, G. A morna expressão da alma de um povo. Cabo Verde: Boletim de Propaganda e Informação, Praia-Cabo Verde, ano III, n. 30, p. 18-20, 1 mar. 1952.

MARTINS, V. A música tradicional cabo-verdiana I: a morna. Praia: ICLD, 1989.

MARTINS, V. Ensaio musicológico sobre a morna: forma musical cabo-verdiana. Praia: ICLD, 1990.

MAUSS, M. As técnicas corporais. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU (Editora Pedagógica e Universitária) e EDUSP (Editora da Universidade de São Paulo), 1974. p. 211-230, v. II.

MORRIS, R. All Made up: Performance Theory and the New Antropology of Sex and Gender. Annual Review Antropology, 24, p. 567-592, 1995.

PEIXEIRA, L. M. de S. Da mestiçagem à Caboverdianidade: registros de uma sociocultura. Lisboa: Edições Colibri, 2003.

RODRIGUES, M.; LOBO, I. A Morna na literatura tradicional: fonte para o estudo histórico-literário e a sua repercussão na sociedade. Praia: ICLD, 1996.

SEMEDO, C. I. “Mara sulada e dã ku torno”: performance, gênero e corporeidades no grupo de Batukadeiras de São Martinho Grande (Ilha de Santiago). Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SEMEDO, C. I. Noções estéticas na performance do Batuko: experiência etnográfica entre as batukadeiras de São Martinho Grande (Ilha de Santiago - Cabo Verde). In: LUCAS, M. E. (Org.). Mixagens em campo: etnomusicologia, performance e diversidade musical. 1. ed. Porto Alegre: Edições Marca Visual, 2013. p. 109-142.

STRATHERN, M. O gênero da dádiva. Campinas: Editora Unicamp, 2006.

TAVARES, E. Mornas cantigas crioulas. Luanda, 1930.

TAVARES, M. de J. Aspectos evolutivos da música Cabo-Verdiana. Praia: Centro Cultural Português /Instituto Camões, 2006.

Downloads

Publicado

23-12-2020

Como Citar

SEMEDO, C. I. As gramáticas eróticas do Batuko cabo-verdiano. Hawò, [S. l.], v. 1, p. 1–34, 2020. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/hawo/article/view/65617. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Corpo em Dança: transformações, ritmos e lugares