Brincar de Caboco no Maracatu da Mata Norte de Pernambuco

Autores

  • Noshua Amoras Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Palavras-chave:

Zona da Mata, Pernambuco, Cultura popular, Maracatu

Resumo

O objetivo deste artigo é abordar as figuras de maracatu, brincadeira presente na Zona da Mata pernambucana. As figuras são o aspecto mais visual da brincadeira e envolvem uma ornamentação ritual produzida com apetrechos e objetos que as definem enquanto “tipos” – baianas, cabocos, índias, etc. – e que são vestidas pelos folgazões quando essas pessoas brincam maracatu. Ao lado disso, há uma dimensão menos tangível que diz respeito às transformações corporais em quem brinca, associadas ao tempo antigo da brincadeira, o qual é tanto admirado quanto temido. Focando na figura do caboco, este artigo demonstra que brincar de caboco consiste em passar por tais transformações corporais e estabelecer vínculos com diversas forças, sendo capaz de experimentá-las de modo apropriado.

Referências

ACSELRAD, M. Viva a pareia! Corpo, dança e brincadeira no Cavalo-Marinho de Pernambuco. Recife: Ed. Universitária UFPE, 2013.

ACSELRAD, M. Dançando contra o Estado: a relação dança e guerra nas manobras dos caboclinhos de Goiana/Pernambuco. Tese (Doutorado em Antropologia e Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019.

AMORAS, N. Manobras e evoluções: Etnografia dos movimentos do Maracatu Leão de Ouro de Condado. Monografia (Graduação em Ciências Sociais – Antropologia), Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

AMORAS, N. Composição e metamorfose no maracatu da Mata Norte de Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

ASSIS, M. E. Cruzeiro do forte a brincadeira e o jogo de identidade em um Maracatu Rural. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1997.

BASTIDE, R. Imagens do Nordeste místico em branco e preto. Rio de Janeiro: Ed. Cruzeiro, 1945.

BONALD NETO, O. Os Caboclos Azougados de Ogum. In: MAIOR, M. S.; SILVA, L. D. (Org.). Antologia do Carnaval do Recife. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Massangana, 1991.

CHAVES, S. O. A. de C. Carnaval em terras de caboclo: uma Etnografia sobre Maracatus de Baque Solto. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

FREYRE, G. Guia prático, histórico e sentimental da cidade do Recife. Recife: José Olympio, 1963.

GARRABÉ, L. Les rythmes d’une culture populaire: les politiques du sensible dans le maracatu-de-baque-solto, Pernambuco, Brésil. Thèse (Doctorat en Esthétique, Sciences et Technologies des Arts, Études Théâtrale, Ethnóscelonogie). Université de Paris 8 Vincennes Saint Denis, Saint-Denis, 2010.

MEDEIROS, R. B. Maracatu Rural: luta de classes ou espetáculos? Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2005.

MELLO, C. C. do A. Aquém da possessão: a noção de irradiação nos estudos de religião de matriz africana. Anuário Antropológico, Brasília, v. 45, n. 2, p. 146-163, maio/ago. 2020.

MURPHY, J. P. Cavalo-Marinho pernambucano. Tradução de André de Paula Bueno. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

OLIVEIRA, V. de. Os indecifráveis Tuchauás. Contraponto, Ano II, n. 7, mar. 1948.

SENA, J. R. F. de. Maracatus Rurais de Recife: entre a religiosidade popular e o espetáculo. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2012.

SILVA, A. V. da. Travestilidade masculina no Maracatu Rural pernambucano: gênero, ritual e performance em Nazaré da Mata/PE. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

SUMAIA, S. Dos canaviais à capital: cabocarias de flecha, maracatus de orquestra, baque solto, rural. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

SUMAIA, S. ‘O caboco velho, antigo, sabe brincar. Vai respeitar!’ A diversidade dos rituais espirituais na brincadeira do Maracatu de Baque solto/rural. Itacoatiara: uma revista online de cultura, Recife, ano 2, n. 1, p. 62-75, abr. 2012.

STRATHERN M. Feathers and shells: learning to see. Lectures given in the Department of Social Anthropology, Cambridge University, Master Class v. 2, HAU, Chicago, p. 21-53, 2008.

TEIXEIRA, R. D. A poética do Cavalo-Marinho: brincadeira-ritual na Zona da Mata de Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

TEIXEIRA, R. D. Cuidado e proteção em brinquedos de cavalo-marinho e maracatu da Zona da Mata Pernambucana. Anuário Antropológico, Brasília, v. 41, p. 77-94, 2016.

TENDERINI, H. M. Na pisada do galope Cavalo Marinho na fronteira traçada entre brincadeira e realidade. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

VICENTE DA SILVA, S. Festa de caboclo. Recife: Ed. Associação Reviva, 2005. (Coleção Maracatu e Maracatuzeiros, v. 1).

WAGNER, R. The innovation of meaning in Daribi religion. Chicago: University of Chicago Press, 1972.

Downloads

Publicado

20-01-2021

Como Citar

AMORAS, N. Brincar de Caboco no Maracatu da Mata Norte de Pernambuco. Hawò, [S. l.], v. 1, p. 1–30, 2021. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/hawo/article/view/65532. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Corpo em Dança: transformações, ritmos e lugares