Relação da infraestrutura da propriedade e alimentação dos animais na ocorrência de leite instável não ácido no planalto norte de Santa Catarina

  • Joana Gerent Voges Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, joanavoges@yahoo.com.br
  • Nadine Cristina Felipus Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, nadinecf710@hotmail.com
  • Luan de Oliveira Canabarro Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, luan.de.oliveira@hotmail.com
  • Deise Aline Knob Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, deisealinek@hotmail.com http://orcid.org/0000-0003-3972-1094
  • Daniele Cristina da Silva Kazama Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, daniele.kazama@ufsc.br
  • André Thaler Neto Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, andre.thaler@udesc.br
Palavras-chave: Estabilidade do leite, Teste do álcool, Suplementação alimentar, Produtividade

Resumo

O teste do álcool é amplamente utilizado na recepção dos laticínios para a verificação da estabilidade do leite cru. O leite que não é estável no teste e não apresenta acidez elevada é definido como leite instável não ácido (LINA). A sua ocorrência tem característica multifatorial e pode estar relacionada ao manejo nutricional inadequado. Este estudo objetivou avaliar a influência da infraestrutura da propriedade e da alimentação dos animais sobre a ocorrência de LINA. A infraestrutura foi caracterizada através de questionário guia semiestruturado. Analisou-se a composição centesimal do leite das propriedades, resistência ao teste do álcool, acidez titulável e o pH. Foram consideradas LINA as amostras que precipitaram em concentração de álcool menor ou igual a 72%, com acidez e pH normais. Nos alimentos coletados, determinou-se o teor de fibra em detergente neutro. Os dados foram avaliados através de análise fatorial e de agrupamento utilizando o pacote estatístico SAS. O uso de suplementos alimentares volumosos e concentrados, com consequente melhoria da produtividade animal e maior teor de lactose no leite foi relacionado com menor ocorrência de LINA nas condições estudadas. A ocorrência de LINA apresentou pouca relação com a infraestrutura das propriedades e com a estação do ano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Gerent Voges, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, joanavoges@yahoo.com.br
Nadine Cristina Felipus, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, nadinecf710@hotmail.com
Luan de Oliveira Canabarro, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, luan.de.oliveira@hotmail.com
Deise Aline Knob, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, deisealinek@hotmail.com
Daniele Cristina da Silva Kazama, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, daniele.kazama@ufsc.br
André Thaler Neto, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, andre.thaler@udesc.br
Publicado
04-07-2018
Como Citar
Gerent Voges, J., Cristina Felipus, N., de Oliveira Canabarro, L., Aline Knob, D., Cristina da Silva Kazama, D., & Thaler Neto, A. (2018). Relação da infraestrutura da propriedade e alimentação dos animais na ocorrência de leite instável não ácido no planalto norte de Santa Catarina. Ciência Animal Brasileira, 19, 1-13. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/e-50399
Seção
ZOOTECNIA