Componentes não carcaça de novilhos de corte submetidos à castração cirúrgica ou imunológica

  • Diego Soares Machado Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, dsoaresmachado@ymail.com http://orcid.org/0000-0002-2406-280X
  • Dari Celestino Alves Filho Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, darialvesfilho@hotmail.com
  • Ivan Luiz Brondani Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, ivanbrondani@gmail.com
  • Flânia Mônego Argenta Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, flaniama@yahoo.com.br
  • Lucas Braido Pereira Instituto Federal Farroupilha, Alegrete, Rio Grande do Sul, Brasil, lucas.pereira@iffaroupilha.edu.br
  • Marcelo Ascoli da Silva Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, maszootec@live.com
Palavras-chave: Produção de bovinos, Bem-estar animal, Gordura visceral, Órgãos vitais, Peso de corpo vazio

Resumo

Objetivou-se avaliar as características dos componentes do corpo vazio que não integram a carcaça de novilhos castrados cirurgicamente ou imunologicamente. Foram utilizados 48 bezerros Aberdeen Angus, monitorados a partir de idade média inicial de seis meses e peso médio inicial de 160 kg. Os animais foram distribuídos nos seguintes tratamentos: castrados cirurgicamente ao nascimento; castrados cirurgicamente à desmama; imunocastrados com três doses de vacina (6º, 9º e 14º meses de idade dos animais) e imunocastrados com quatro doses (6º, 7º, 10º e 15º meses de idade dos animais). O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado. Durante o abate, todos os componentes internos e externos do corpo do animal foram separados e pesados individualmente. O total de órgãos internos expressos em percentual do peso de corpo vazio diferiu entre os dois protocolos de imunocastração, com superioridade quando aplicou-se quatro doses (3,61 vs. 3,39 kg). Novilhos castrados ao nascer depositaram mais gordura cardíaca, renal e pélvica, e gordura do trato gastrintestinal que imunocastrados com três doses, independentemente da forma como foi expressa. A castração cirúrgica ao nascimento promove maior deposição de gordura visceral, em novilhos abatidos em idade jovem, em relação à imunocastração com dosagem definitiva com nove meses de idade.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Soares Machado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, dsoaresmachado@ymail.com
Dari Celestino Alves Filho, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, darialvesfilho@hotmail.com
Ivan Luiz Brondani, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, ivanbrondani@gmail.com
Flânia Mônego Argenta, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, flaniama@yahoo.com.br
Lucas Braido Pereira, Instituto Federal Farroupilha, Alegrete, Rio Grande do Sul, Brasil, lucas.pereira@iffaroupilha.edu.br
Marcelo Ascoli da Silva, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, maszootec@live.com
Publicado
28-01-2018
Como Citar
Soares Machado, D., Celestino Alves Filho, D., Luiz Brondani, I., Mônego Argenta, F., Braido Pereira, L., & Ascoli da Silva, M. (2018). Componentes não carcaça de novilhos de corte submetidos à castração cirúrgica ou imunológica. Ciência Animal Brasileira, 19, 1-16. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/e-47923
Seção
ZOOTECNIA