Susceptibilidade de Staphylococcus aureus isolados de leite cru a antibióticos comerciais

  • Aparecida Selsiane Sousa Carvalho Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos de Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil, selsiane@hotmail.com
  • Josilene Lima Lima Serra Instituto Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil, josilene.serra@ifma.edu.br
  • Lucélia da Cunha Rodrigues Instituto Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil, lucelia.rodrigues@ifma.edu.br
  • Luciano de Souza Rodrigues Junior Instituto Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil, luciano.junior@ifma.edu.br
  • Adenilde Nascimento Mouchrek Universidade Federal do Maranhão, Barreirinhas, Maranhão, Brasil, adenild@bol.com.br
  • Elka Machado Ferreira Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, São Paulo, Brasil, elka.ferreira@hotmail.com

Resumo

O leite possui extremo valor na dieta humana e constitui um excelente substrato para o crescimento de grande diversidade de microrganismos, dentre eles o Staphylococcus aureus, frequentemente encontrado no leite cru, e que se destaca como um dos microrganismos mais prevalentes em casos de mastite bovina no mundo. Objetivou-se avaliar a sensibilidade de cepas de S. aureus isoladas de leite cru à antimicrobianos comerciais. Para isso, selecionaram-se antibióticos com base em pesquisas junto a estabelecimentos comerciais de medicamentos veterinários no município de Zé Doca, Estado do Maranhão, Brasil. Esses antibióticos foram identificados por associação à base de penicilina, estreptomicina, isoniazida e prednisolona (BPC), oxitetraciclina base (TOR), associação à base de penicilina e estreptomicina (MPP) e cloridrato de tetraciclina (TCA). Posteriormente, realizou-se contagem de Staphylococcus spp., com isolamento e identificação bioquímica das cepas de S. aureus, as quais, em seguida, foram submetidas à antibiogramas com identificação de cepas produtoras de beta-lactamase. Os resultados demonstraram contaminação em todas as amostras por Staphylococcus spp., com contagens de 1,9 x 103 a 5,24 x 106 UFC/mL. Dentre os antibióticos testados, o TOR apresentou maior eficiência na eliminação ou redução de todas as cepas de S. aureus. Verificou-se que 50% das cepas de S. aureus isoladas produziram enzima beta-lactamase. Torna-se necessário a criação de medidas de combate ao surgimento de novas cepas bacterianas e atuação das autoridades públicas, fiscalizando a comercialização de medicamentos veterinários.
Palavras-chave: Beta-lactamase; Produtos lácteos; Qualidade do leite; Resistência bacteriana

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aparecida Selsiane Sousa Carvalho, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos de Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil, selsiane@hotmail.com
Josilene Lima Lima Serra, Instituto Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil, josilene.serra@ifma.edu.br
Lucélia da Cunha Rodrigues, Instituto Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil, lucelia.rodrigues@ifma.edu.br
Luciano de Souza Rodrigues Junior, Instituto Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão, Brasil, luciano.junior@ifma.edu.br
Adenilde Nascimento Mouchrek, Universidade Federal do Maranhão, Barreirinhas, Maranhão, Brasil, adenild@bol.com.br
Elka Machado Ferreira, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, São Paulo, Brasil, elka.ferreira@hotmail.com
Publicado
02-10-2018
Como Citar
Sousa Carvalho, A. S., Lima Serra, J. L., da Cunha Rodrigues, L., de Souza Rodrigues Junior, L., Nascimento Mouchrek, A., & Machado Ferreira, E. (2018). Susceptibilidade de Staphylococcus aureus isolados de leite cru a antibióticos comerciais. Ciência Animal Brasileira, 19, 1-8. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/e-47159
Seção
MEDICINA VETERINÁRIA