Avaliação da qualidade de méis de abelhas africanizadas e sem ferrão nativas do nordeste do estado do Pará

  • Blenda do Amor Divino Menezes Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil, blendadivino@gmail.com
  • Rafaella de Andrade Mattietto EMBRAPA Amazônia Oriental, Belém, Pará, Brasil, rafaella.mattietto@embrapa.br
  • Lúcia de Fátima Henriques Lourenço Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil, luciahl@ufpa.br

Resumo

O objetivo do trabalho foi avaliar a qualidade microbiológica e físico-química do mel in natura (np) e pasteurizado (p) de abelhas africanizadas (Apis mellifera) e de duas espécies de abelhas sem ferrão (Melipona fasciculata e Melipona flavolineata) nativas da região Nordeste do Estado do Pará. As análises físico-químicas foram realizadas de acordo com o recomendado pela legislação brasileira para Apis mellifera e as análises microbiológicas seguiram os métodos oficiais da American Public Health Association. Os méis de Apis mellifera apresentaram-se dentro dos padrões físico-químicos estabelecidos, exceto para os parâmetros açúcares redutores (np: 57,43%±1,28 e p: 58,53%±1,91), acidez (np: 62,25 cmol/Kg±4,15 e p: 62,67 cmol/Kg±5,75) e umidade (np: 21,02%±0,17 e p: 20,12%±0,07). Os méis de meliponíneos apresentaram-se dentro da faixa observada na literatura para esse tipo de mel. Em quase todas as análises físico-químicas realizadas, os méis estudados mostraram-se diferentes entre si, sendo que os méis de meliponíneos apresentam umidade e atividade de água mais elevada, o que os torna mais suscetíveis a deteriorações. Foi observada diferença significativa entre os méis in natura de A. mellifera e de meliponíneos quando comparado com seus respectivos méis pasteurizados para as análises de umidade (A. melífera, np: 21,02%±0,17 e p: 20,12%±0,07; M. fasciculata, np: 24,33%±0,03 e p: 23,68%±0,16; M. flavolineata, np: 28,53%±0,02 e p: 27,40%±0,04), sacarose aparente (A. melífera, np: 5,75%±0,18 e p: 3,19%±0,23; M. fasciculata, np: 3,89%±0,04 e p: 1,59%±0,03; M. flavolineata, np: 2,12%±0,22 e p: 1,62%±0,02) e HMF (A. melífera, np: 20,99mg/Kg±0,13 e p: 64,36mg/Kg±0,07; M. fasciculata, np: 6,54mg/Kg±0,14 e p: 9,46mg/Kg±0,09; M. flavolineata, np: 3,59mg/Kg±0,14 e p: 43,19mg/Kg±0,14). Todas as amostras submetidas ao processo de pasteurização encontravam-se dentro dos limites microbiológicos estabelecidos pela legislação vigente.
Palavras chaves: Apis melífera; Caracterização; Mel; Meliponíneos; Pasteurização

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Blenda do Amor Divino Menezes, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil, blendadivino@gmail.com
Rafaella de Andrade Mattietto, EMBRAPA Amazônia Oriental, Belém, Pará, Brasil, rafaella.mattietto@embrapa.br
Lúcia de Fátima Henriques Lourenço, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil, luciahl@ufpa.br
Publicado
02-08-2018
Como Citar
do Amor Divino Menezes, B., de Andrade Mattietto, R., & de Fátima Henriques Lourenço, L. (2018). Avaliação da qualidade de méis de abelhas africanizadas e sem ferrão nativas do nordeste do estado do Pará. Ciência Animal Brasileira, 19, 1-13. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/e-46578
Seção
CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS