PLURIPARIDADE NAS ÉGUAS: RELAÇÃO COM CARACTERÍSTICAS MATERNAS, PLACENTÁRIAS E NEONATAIS

  • Elena Carolina Serrano-Recalde Universidade de São Paulo
  • Juliana Cristina Queiroz-Silva Universidade de São Paulo
  • Carina de Fatima Guimarães Universidade de São Paulo
  • Mariana Matera Veras Universidade de São Paulo
  • Roberta Galvano Barbosa Medica Veterinaria Autônoma
  • Maria Augusta Alonso Universidade de São Paulo
  • Claudia Barbosa Fernandes Universidade de São Paulo
Palavras-chave: equino-gestação-parto-mebrana corioalantóide

Resumo

A placenta é o órgão de ligação entre a égua e o potro e é um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento fetal e pelas características morfométricas do neonato. Essa função se torna cada vez mais importante porque os estudos indicam que as características físicas dos potros predizem o seu desenvolvimento na vida adulta. Desta forma, o objetivo do presente estudo foi correlacionar número de partos (1-5) e características maternas de éguas com as características placentárias e o tamanho do potro. As éguas foram categorizadas em grupos de acordo com o número de partos sendo G1: 1 parto (n=4); G2: 2 partos (n=6); G3: 3 partos (n=7); G4: 4 partos (n=5); e G5: 5 partos (n=3). Como principais resultados obtidos, o perímetro torácico e o peso da égua pré- e pós-parto influenciaram positivamente peso (p=0,004/ R= 0,51; p=0,002/ R= 0,55; p=0,01/ R= 0,43), altura (p=0,0005/ R= 0,60; p=0,001/ R= 0,57; p=0,005/ R= 0,50) e perímetro torácico (p=0,0001/ R= 0,65; p?0,0001/ R= 0,71; p=0,0002/ R= 0,64) dos potros ao nascimento. Éguas com maior peso corporal no pré-parto apresentaram maior peso placentário (p=0,01/R= 0,45) e pariram potros mais pesados (p=0,003/ R= 0,52) com maior perímetro torácico (p=0,01/ R= 0,45). Os neonatos de éguas do G4 foram os mais pesados, indicando que provavelmente o maior tamanho uterino em éguas pluríparas permita uma maior cobertura placentária, maior área de contato materno fetal e provavelmente maior aporte de nutrientes ao feto.
Palavras-chave: equino; gestação; membrana corioalantóide; parto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elena Carolina Serrano-Recalde, Universidade de São Paulo
Departamento de Reprodução Animal
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Juliana Cristina Queiroz-Silva, Universidade de São Paulo
Departamento de Reprodução Animal
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Carina de Fatima Guimarães, Universidade de São Paulo

Departamento de Reprodução Animal

Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Mariana Matera Veras, Universidade de São Paulo
Departamento de Reprodução Animal
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Maria Augusta Alonso, Universidade de São Paulo
Departamento de Reprodução Animal
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Claudia Barbosa Fernandes, Universidade de São Paulo
Departamento de Reprodução Animal
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Publicado
23-06-2017
Como Citar
Serrano-Recalde, E. C., Queiroz-Silva, J. C., Guimarães, C. de F., Veras, M. M., Barbosa, R. G., Alonso, M. A., & Fernandes, C. B. (2017). PLURIPARIDADE NAS ÉGUAS: RELAÇÃO COM CARACTERÍSTICAS MATERNAS, PLACENTÁRIAS E NEONATAIS. Ciência Animal Brasileira, 18. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/e-33567
Seção
MEDICINA VETERINÁRIA