Comportamento ingestivo de novilhos mestiços terminados em confinamento alimentados com borra de soja

  • Álisson Marian Callegaro Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, mcalisson@hotmail.com
  • Dari Celestino Alves Filho Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, darialvesfilho@hotmail.com
  • Luiz Ângelo Damian Pizzuti Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, pizzuti@zootecnista.com.br
  • Luciane Rumpel Segabinazzi Universidade Federal do Pampa, Dom Pedrito, Rio Grande do Sul, Brasil, luzoot@hotmail.com
  • Ivan Luiz Brondani Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, ivanbrondani@gmail.com
  • Ana Paula Machado Martini Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, anapaulamartini@zootecnista.com.br
Palavras-chave: Atividades diárias, Casca de soja, Consumo de matéria seca, Extrato etéreo

Resumo

Este trabalho objetivou avaliar os efeitos da inclusão da borra de soja no comportamento ingestivo de 30 novilhos mestiços Charolês/Nelore, confinados, com 20 meses de idade e peso médio inicial de 328,3 kg. Cada grupo experimental foi composto por seis animais, distribuídos nos tratamentos: 00; 30; 60; 90 e 120 g de borra de soja por 1000 g de matéria seca na dieta, os quais continham 29,0; 47,3; 66,7; 86,8 e 106,8 g de extrato etéreo, respectivamente. O aumento no nível de inclusão de borra de soja na dieta não interferiu no tempo de alimentação, ruminação e ócio (3,11; 13,33 e 7,55 h, respectivamente). As variáveis número de mastigações por bolo, tempo de mastigação por bolo, número de bolos, número de mastigações diárias e tempo de mastigação total (h/dia) (62; 58; 470; 28978 e 10,65, respectivamente) também não sofreram efeito dos tratamentos. O consumo de matéria seca foi similar, em contrapartida, o consumo de fibra detergente neutro (kg/dia) e a eficiência (g FDN/h) da referida fração apresentaram comportamento linear decrescente com aumento da inclusão de borra. A borra de soja pode ser incluída na dieta de novilhos mestiços confinados até o nível de 120 g por 1000 g de matéria seca sem que haja efeitos negativos sobre as principais variáveis relativas ao comportamento ingestivo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álisson Marian Callegaro, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, mcalisson@hotmail.com
Dari Celestino Alves Filho, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, darialvesfilho@hotmail.com
Luiz Ângelo Damian Pizzuti, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, pizzuti@zootecnista.com.br
Luciane Rumpel Segabinazzi, Universidade Federal do Pampa, Dom Pedrito, Rio Grande do Sul, Brasil, luzoot@hotmail.com
Ivan Luiz Brondani, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, ivanbrondani@gmail.com
Ana Paula Machado Martini, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, anapaulamartini@zootecnista.com.br
Publicado
04-07-2018
Como Citar
Marian Callegaro, Álisson, Celestino Alves Filho, D., Damian Pizzuti, L. Ângelo, Rumpel Segabinazzi, L., Luiz Brondani, I., & Machado Martini, A. P. (2018). Comportamento ingestivo de novilhos mestiços terminados em confinamento alimentados com borra de soja. Ciência Animal Brasileira, 19, 1-12. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/e-28150
Seção
ZOOTECNIA