Inquérito soroepidemiológico da leucose enzoótica bovina em rebanhos bovinos do estado de Sergipe

  • Juliana Matos Batista Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil, matos.vet@hotmail.com
  • Diana Matos Batista Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, Sergipe, Brasil, matos.vet2@hotmail.com
  • Joselito Nunes Costa Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil, joselitonc@yahoo.com.br
  • Antônio Oliveira Costa Neto Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil, aocneto@hotmail.com
  • Carla Caroline Valença de Lima Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil, carlacvlima@gmail.com http://orcid.org/0000-0003-1141-3030
  • Thiago Sampaio Souza Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil, thiago_sampaio@hotmail.com
  • Évelin Santiago Vasconcelos dos Santos Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil, joselitonc@yahoo.com.br

Resumo

Sergipe, localizado na região Nordeste do Brasil, é o único estado dessa região com ausência de estudos sobre a soroprevalência da leucose enzoótica bovina, havendo a necessidade da realização de pesquisas para verificação da situação atual da enfermidade. O objetivo do presente estudo foi realizar um inquérito soroepidemiológico da leucose enzoótica bovina em rebanhos bovinos do estado de Sergipe, dividido em três mesorregiões: Leste Sergipano, Agreste Sergipano e Sertão Sergipano. Em cada mesorregião foram selecionados os cinco municípios com o maior efetivo bovino, totalizando 780 amostras coletadas, dentre machos e fêmeas, de faixas etárias diversas, provenientes de 52 propriedades dos municípios visitados. Todas as amostras de soro foram submetidas ao teste de imunodifusão em gel de ágar (IDGA), obtendo-se resultados positivos para anticorpos antivírus da leucose bovina (anti-VLB) em 11,92% (93/780) dos animais. Dentre as propriedades, 59,61% (31/52) apresentaram animais reagentes, sendo que, dos 15 municípios visitados, apenas dois não apresentaram animais sororreagentes. De acordo com os resultados obtidos, ficou confirmada a presença de anticorpos contra o agente etiológico nos rebanhos bovinos sergipanos, reforçando a necessidade de instituir medidas de controle e prevenção eficazes contra a leucose bovina, com o objetivo de controlar a doença no estado e conhecer melhor a sua epidemiologia. 
Palavras-chave: 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Matos Batista, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil, matos.vet@hotmail.com
Diana Matos Batista, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, Sergipe, Brasil, matos.vet2@hotmail.com
Joselito Nunes Costa, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil, joselitonc@yahoo.com.br
Antônio Oliveira Costa Neto, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil, aocneto@hotmail.com
Carla Caroline Valença de Lima, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil, carlacvlima@gmail.com
Thiago Sampaio Souza, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, Bahia, Brasil, thiago_sampaio@hotmail.com
Évelin Santiago Vasconcelos dos Santos, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil, joselitonc@yahoo.com.br
Publicado
05-06-2018
Como Citar
Matos Batista, J., Matos Batista, D., Nunes Costa, J., Oliveira Costa Neto, A., Caroline Valença de Lima, C., Sampaio Souza, T., & Santiago Vasconcelos dos Santos, Évelin. (2018). Inquérito soroepidemiológico da leucose enzoótica bovina em rebanhos bovinos do estado de Sergipe. Ciência Animal Brasileira, 19, 1-12. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/e-23196
Seção
MEDICINA VETERINÁRIA