SÍNDROME DO ESTRESSE EM CATETOS (Tayassu tajacu) SUBMETIDOS À CAPTURA E CONTENÇÃO EM DIFERENTES HORÁRIOS DA MANHÃ EM MOSSORÓ - RN

Autores

  • Jael Soares Batista Universidade Federal Rural do Semi-árido
  • Francisco Silvestre Brilhante Bezerra Universidade Federal Rural do Semi-árido
  • Rodrigo Araújo Lira Universidade Federal Rural do Semi-árido
  • Stiwens Roberto Trevisan Orpinelli UFERSA
  • Carlos Eduardo Vieira Dias Universidade Federal Rural do Semi-árido
  • Andréia Freitas de Oliveira Universidade Federal Rural do Semi-árido

Palavras-chave:

Tayassuídeos, estresse, manejo, semi-árido, carne PSE

Resumo

Durante prática de manejo de catetos (Tayassu tajacu), criados em cativeiro no semi-árido do Rio Grande do Norte, é comum, principalmente quando realizada nas horas mais quentes do dia, a ocorrência de óbito após manifestações clínicas de miopatia de captura. Este trabalho objetiva estudar a síndrome do estresse em catetos submetidos à captura e contenção em diferentes horários da manhã. Foram utilizados 35 catetos, separados em sete grupos de cinco indivíduos, que foram avaliados a cada intervalo de uma hora, das seis até as treze horas, gerando sete intervalos (tratamentos). Durante 35 dias em intervalos semanais foram realizados exames clínicos, hematológicos, anatomopatológicos e físico-químicos da carne. Houve aumento significativo (P<0,05) das freqüências cardíaca e respiratória e também da temperatura retal do primeiro ao sétimo tratamento. No exame necroscópico foram observadas hemorragias petequiais do baço e hemorragia equimótica do coração. No exame microscópico observou-se degeneração, necrose e retração de fibras musculares esqueléticas e cardíacas. No físico-químico da carne dos animais com síndrome do estresse foi verificado alto teor de água, além de baixo pH. Conclui-se que a captura e contenção realizadas nas horas mais quentes da manhã no tipo de manejo observado, causam importantes alterações clínicas, resultando em maior freqüência de óbito e alterações físico-químicas da carne.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jael Soares Batista, Universidade Federal Rural do Semi-árido

Doutor em Patologia Veterinária. Professor adjunto do Departamento de Ciências Animais da Universidade Federal Rural do Semi-árido.

Francisco Silvestre Brilhante Bezerra, Universidade Federal Rural do Semi-árido

Médico Veterinário do Programa de Pós-graduação em Ciência Animal da UFERSA.

Rodrigo Araújo Lira, Universidade Federal Rural do Semi-árido

Graduando em Medicina Veterinária pela UFERSA.

Stiwens Roberto Trevisan Orpinelli, UFERSA

Médico Veterinário Autônomo.

Carlos Eduardo Vieira Dias, Universidade Federal Rural do Semi-árido

Graduando em Medicina Veterinária pela UFERSA.

Andréia Freitas de Oliveira, Universidade Federal Rural do Semi-árido

Médica Veterinária Autônoma.

Downloads

Publicado

03-04-2008

Como Citar

Soares Batista, J., Brilhante Bezerra, F. S., Araújo Lira, R., Trevisan Orpinelli, S. R., Vieira Dias, C. E., & Freitas de Oliveira, A. (2008). SÍNDROME DO ESTRESSE EM CATETOS (Tayassu tajacu) SUBMETIDOS À CAPTURA E CONTENÇÃO EM DIFERENTES HORÁRIOS DA MANHÃ EM MOSSORÓ - RN. Ciência Animal Brasileira, 9(1), 170–176. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/989

Edição

Seção

Medicina Veterinária