Ocorrência de Escherichia coli em psitacídios cativos: suscetibilidade antimicrobiana e genes de virulência

Resumo

Psittaciformes em cativeiro podem abrigar bactérias Gram-negativas em seu trato digestivo, principalmente devido a condições higiênicas inadequadas e ao confinamento. O presente estudo teve o objetivo de isolar e identificar Escherichia coli em amostras coletadas de gaiolas de Psittaciformes em 50 estabelecimentos comerciais da região metropolitana de Goiânia, com subsequentes testes de susceptibilidade antimicrobiana e detecção de genes de virulência. Foram coletadas 141 amostras de excrementos e suabes de alimentadores e bebedouros, totalizando 423 amostras. Escherichia coli foi isolada em 9,7% (41/423) amostras: 12% (17/141) em excrementos, 8,5% (12/141) em ração e 8,5% (12/141) em bebedouros. Os isolados de E. coli mostraram resistência à ciprofloxacina 4,9% (2/41), gentamicina 17,0% (7/41), doxiciclina 34,1% (14/41), florfenicol 34,1% (14/41), trimetoprim 39,0% (16/41), tetraciclina 41,5% (17/41), enrofloxacina 43,9% (18/41), amoxicilina 48,8% (20/41), neomicina 61,0% (25/41) e sulfonamida 90,2% (37 / 41) foi determinado. Multirresistência (resistência a quatro ou mais antimicrobianos) foi encontrada em 20 amostras, sete de excrementos (7/17), cinco de ração (5/12) e oito de bebedouros (8/12). Um dos isolados dos bebedouros apresentou resistência a todos os antimicrobianos. O gene iss foi detectado em três isolados, o gene tsh em três, o gene papC em dois, os genes traT e eae não foram detectados. Neste estudo, pode-se concluir que os Psittaciformes comercializados como animais de estimação são portadores de isolados de E. coli resistentes aos antimicrobianos mais utilizados, principalmente sulfonamidas e neomicina, além de possuir genes de virulência e resistência sérica, destacando a possibilidade de causar doenças em humanos.
Palavras chave: APEC, amostras multirresistentes, genes de virulência, aves silvestres, saúde pública

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
18-09-2020
Como Citar
Calaça, K. L., Cervi, R. C., Reis, S. A., Nunes, I. A., Jayme, V. de S., & Andrade, M. A. (2020). Ocorrência de Escherichia coli em psitacídios cativos: suscetibilidade antimicrobiana e genes de virulência. Ciência Animal Brasileira, 21(1). Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/60433
Seção
MEDICINA VETERINÁRIA