Anatomia do nervo facial em lobo-guará (Chrysocyon brachyurus - Illiger, 1815)

Resumo

O Lobo-Guará (Chrysocyon brachyurus) é considerado um dos maiores e mais belos canídeos da América do Sul, habita o cerrado e apresenta hábitos notívagos, com preferência crepuscular. Motivado, principalmente, pela atividade antrópica em seu habitat, encontra-se em risco de extinção, o que, certamente, eleva a importância de se estudar e compreender melhor a sua Biologia. Nesse contexto, sabe-se que o Nervo Facial de mamíferos é o sétimo par craniano e se envolve com o comando da função dos músculos da expressão facial e outros, porém como as descrições anatômicas desse canídeo são escassas, o objetivo desta pesquisa foi descrever e correlacionar a Anatomia do N. Facial de Lobo-Guará com canídeos domésticos, espécie esta filogeneticamente próxima. Para o desenvolvimento deste trabalho foram utilizados quatro exemplares de Lobo-Guará adultos, cujas carcaças foram recolhidas às margens de rodovias do sudeste goiano (SISBIO 37072-2) ou doadas pelo CETAS-Catalão. Os espécimes foram fixados em solução aquosa de formol a 10% e conservados em igual solução. A dissecação foi realizada sob a luz de técnicas usuais em Anatomia Macroscópica. Ressalta-se que a pesquisa foi desenvolvida com o parecer favorável do CEUA/UFU nº 067/12. As preparações anatômicas envolvendo o Lobo-Guará não revelaram a presença dos nervos: Auricular caudal, Auricular interno e Estilohioideo, apenas pequenos ramos, considerados como ramos colaterais. O n. Facial emergia como um tronco único, o Tronco do N. Facial, o qual se dividia em n. Auriculopalpebral, Bucal dorsal e Bucal ventral.
Palavras-Chave: Anatomia; animais silvestres; neuroanatomia; nervo facial.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
06-08-2020
Como Citar
da Silva, M. D., de Oliveira, T. S., Santee, K. M., Andrade, F. M., de Oliveira, L. P., de Oliveira, T. S., Chacur, E. P., Silva, Z., & Barros, R. A. de C. (2020). Anatomia do nervo facial em lobo-guará (Chrysocyon brachyurus - Illiger, 1815). Ciência Animal Brasileira, 21(1). Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/59079
Seção
MEDICINA VETERINÁRIA