NÍVEIS DE FARELO DE MACAÚBA NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE PESCOÇO PELADO

Resumo

Para avaliar níveis de farelo de macaúba na dieta de frangos de corte tipo colonial foram utilizados 375 pintos de um dia, da linhagem pescoço pelado, distribuídos em delineamento inteiramente casualizado. em 5 dietas com níveis de 0, 2; 4; 6; e 8% de farelo de macaúba. Os dados obtidos foram submetidos a análises de regressão linear ou quadrática, conforme o melhor ajustamento obtido para cada variável estudada, utilizando-se o programa estatístico SAS 9.0. Os níveis de farelo de macaúba aumentaram o consumo de ração sem influenciar no ganho de peso, resultando na piora da conversão alimentar. Causaram redução linear no peso de abate aos 85 dias e redução nos rendimentos de carcaça em função da maior deposição de gordura abdominal. Foram observados efeitos lineares nos teores de a*, pH, extrato etéreo e cinzas no peito e sobre os teores de b*, umidade, extrato etéreo e cinzas na coxa + sobrecoxa. Conclui-se que a inclusão do farelo de macaúba na dieta de frangos de pescoço pelado prejudica o desempenho por aumentar o consumo da dieta, prejudicando a conversão alimentar e reduzindo os rendimentos de carcaça. Entretanto, por ser rico em carotenoides favorece a coloração de peito, coxa e sobrecoxa.
Palavras-chave: Acrocomia aculeata. Alimentos alternativos. Avicultura alternativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena Wolff Ferreira, Universidade Católica Dom Bosco
Publicado
24-10-2019
Como Citar
Ferreira, M. W., Dias, G. C., Silva, T. R., Kiefer, C., Silveira, U. S., & Marques, R. R. (2019). NÍVEIS DE FARELO DE MACAÚBA NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE PESCOÇO PELADO. Ciência Animal Brasileira, 20(1), 1-12. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/52626
Seção
ZOOTECNIA