FRACIONAMENTO DE PROTEÍNAS DE SILAGEM DE CAPIM-ELEFANTE EMURCHECIDO OU COM FARELO DE CACAU

Gleidson Giordano Pinto de Carvalho, Rasmo Garcia, Aureliano José Vieira Pires, Odilon Gomes Pereira, Francisco Éden Paiva Fernandes, Paulo Roberto Cecon, José Augusto Gomes Azevêdo

Resumo


Desenvolveu-se o experimento para determinar as frações que compõem as proteínas da silagem de capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum. cv. Camaroon) submetido ao emurchecimento ou à adição de diferentes níveis de farelo de cacau. O capim-elefante utilizado foi colhido aos 50 dias de rebrota após o corte de uniformização e submetido aos seguintes tratamentos: capim-elefante emurchecido ao sol por oito horas, e capim-elefante sem emurchecimento com níveis de 0 %, 7 %, 14%, 21 % e 28 % de farelo de cacau (FC) (% da matéria natural). Acondicionou-se o material em silos de PVC com capacidade para 5,3 litros, que foram abertos após 45 dias. Para todas as frações de proteínas estimadas, o tratamento emurchecido apresentou valores semelhantes (P>0,05) ao do tratamento sem emurchecimento. As frações protéicas foram influenciadas pelas adições de FC, verificando-se redução dos teores das frações A e B1+B2 e aumentos das frações B3 e C, para os níveis crescentes de FC.

PALAVRAS-CHAVES: Conservação de forragens, forrageira, Pennisetum purpureum Schum. cv. Cameroon, subproduto, Theobroma cacao L.


Palavras-chave


Nutrição Animal

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas