FREQUÊNCIA DE ANTICORPOS CONTRA Neospora caninum em CÃES DO MUNICÍPIO DE ILHÉUS, BAHIA

Autores

  • Vanessa Carvalho Sampaio de Magalhães Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Patrícia Mara Lopes Sicupira Centro de Controle de Zoonoses e UESC
  • Luis Fernando Pita Gondim Universidade Federal da Bahia
  • Alexandre Dias Munhoz Universidade Estadual de Santa Cruz

Palavras-chave:

Sanidade Animal, Doenças Parasitárias

Resumo

Este estudo teve como objetivo determinar a frequência de cães soropositivos para Neospora caninum, no município de Ilhéus, BA, e a influência da procedência dos cães com soropositividade. Coletaram-se 161 amostras de sangue dos animais, as quais foram testadas por meio da reação de imunofluorescência indireta, empregando-se um ponto de corte de 1:50. Na análise estatística foi utilizado o teste do qui-quadrado com correção de Yates. Detectaram-se dezenove (11,8%) cães soropositivos para o parasito, sendo que, entre os positivos, 21,9% eram errantes e 9,3% domiciliados (p = 0,1). Os animais residentes em áreas urbanas apresentaram uma maior soropositividade para o parasito quando comparados com os animais da área periurbana (p=0,03). Os resultados são indicativos da presença de N. caninum na região estudada.
 
PALAVRAS-CHAVES: Caninos, fatores de risco, neosporose, prevalência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Fernando Pita Gondim, Universidade Federal da Bahia

Laboratório de Diagnóstico das Parasitoses dos Animais, Universidade Federal da Bahia

Alexandre Dias Munhoz, Universidade Estadual de Santa Cruz

Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais, Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Área de Clínica e Cirurgia Veterinária e Medicina Veterinária Preventiva

Downloads

Publicado

03-04-2009

Como Citar

Sampaio de Magalhães, V. C., Sicupira, P. M. L., Pita Gondim, L. F., & Munhoz, A. D. (2009). FREQUÊNCIA DE ANTICORPOS CONTRA Neospora caninum em CÃES DO MUNICÍPIO DE ILHÉUS, BAHIA. Ciência Animal Brasileira, 10(1), 306–311. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/4837

Edição

Seção

Medicina Veterinária