Ação dos crioprotetores glicose, trealose e quitosana na manutenção da viabilidade de células de Escherichia coli, Saccharomyces cerevisiae após liofilização

Resumo

Resumo
A liofilização é considerada uma das técnicas mais seguras para obtenção de estabilidade de cepas de cultura. Para este processo, podem ser utilizados crioprotetores, que são substâncias que protegem as estruturas celulares durante o período de congelamento, descongelamento e desidratação. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o desempenho da glicose, trealose e quitosana como crioprotetores para manutenção de cepas de Escherichia coli e Saccharomyces cerevisiae. Para tratamento estatístico, utilizou-se ANOVA e teste de Tukey com o software Bioestat, versão 5.3. Para Escherichia coli, a Trealose apresentou melhores resultados após a liofilização, porém nenhum dos tratamentos mostrou-se eficaz em prolongar a viabilidade até os 60 dias de armazenamento. Para Saccharomyces cerevisiae, todos os tratamentos apresentaram-se satisfatórios ao longo dos 60 dias avaliados.
Palavras-chave: Conservação; estabilidade de cepas; liofilização; microrganismos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Barella de Freitas, Senai

Tecnóloga em alimentos, especialista em inovação e tecnologia, departamento de Microbiologia de alimentos.

Creciana Maria Endres, SENAI

Mestre em ciência e tecnologia de alimentos, docente da faculdade SENAI.

Diane Martini, SENAI

Orientadora. Departamento de microbiologia.

Andréia Paula Dal Castel, SENAI

Laboratório de Microbiologia.

Publicado
05-02-2020
Como Citar
Freitas, A. B. de, Endres, C. M., Martini, D., & Dal Castel, A. P. (2020). Ação dos crioprotetores glicose, trealose e quitosana na manutenção da viabilidade de células de Escherichia coli, Saccharomyces cerevisiae após liofilização. Ciência Animal Brasileira, 21(1). Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/47464
Seção
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS