FREQUÊNCIA DO Vírus da Leucemia Felina (VLFe) em FELINOS DOMÉSTICOS (Felis catus) SEMIDOMICILIADOS NOS MUNICÍPIOS DE PELOTAS E RIO GRANDE

Ana Raquel Mano Meinerz, Tatiana de Ávila Antunes, Lorena Leonardo de Souza, Patrícia da Silva Nascente, Renata Osório de Faria, Marlete Brum Cleff, Fabiane Resende Gomes, Márcia de Oliveira Nobre, Dilmara Reischak, Luis Filipe Damé Schuch, Mário Carlos Araújo Meireles

Resumo


Considerando a importância do VLFe na clínica felina, assim como a possível disseminação do agente a partir de um felino portador sintomático ou assintomático, o estudo tem como objetivo verificar a frequência de viremia pelo VLFe em felinos residentes em Pelotas e Rio Grande, municípios situados na região sul do Brasil. Para isso foi coletado sangue de 120 animais semidomiciliados para a detecção do retrovírus através da técnica de imunofluorescência indireta (IFI). Detectou-se a viremia em 38,3% (46/120) dos animais estudados, representando uma frequência maior em relação a outros estudos realizados no Brasil, o que confirma a importância deste agente na região estudada.

PALAVRAS-CHAVES: Felinos, imunofluorescência, retrovírus, VLFe.


Palavras-chave


Sanidade animal

Texto completo:

PDF english pdf HTML




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas