EFEITOS DE FONTES NITROGENADAS, EM DIETAS COM ALTO TEOR DE CONCENTRADO PARA BOVINOS DE CORTE, SOBRE O CONSUMO DE MATÉRIA SECA, DIGESTIBILIDADE E DEGRADABILIDADE DOS NUTRIENTES

Autores

  • Reinaldo Cunha de Oliveira Junior
  • Alexandre Vaz Pires
  • Juliano José de Resende Fernandes
  • Flávio Augusto Portela Santos
  • Ivanete Susin
  • Rafael Canonenco de Araujo

Resumo

Seis machos da raça Nelore não castrados, com peso médio inicial de 420 kg, foram distribuídos em um delineamento quadrado latino 3x3 duplicado, objetivando avaliar a substituição de uma fonte de proteína verdadeira (farelo de soja), em uma dieta deficiente (15%) em proteína degradável no rúmen (PDR), por uréia ou amiréia (fonte de nitrogênio não protéico de suposta liberação gradativa de nitrogênio), estando as duas últimas em uma dieta adequada em PDR, sobre a digestibilidade dos nutrientes, a degradabilidade in situ do farelo de soja e da amiréia. Os tratamentos consistiram de: 1) farelo de soja (FS); 2) uréia e3) amiréia (A-150S), sendo as dietas isoprotéicas (13,0%) e utilizando-se o BIN (bagaço de cana-de-açúcar in natura) como única fonte de volumoso (20% da MS). O tratamento FS promoveu menor (P<0,05) consumo de matéria seca (MS),matéria orgânica (MO), fibra em detergente ácido (FDA) e fibra em detergente neutro (FDN). Os tratamentos uréia e amiréia apresentaram resultados similares (P>0,05). A digestibilidade da MS, MO, FDA, FDN, proteína bruta (PB) e extrato etéreo (EE) não diferiu (P>0,05) entre os tratamentos. A amiréia apresentou resultados similares na digestibilidade dos nutrientes em relação à uréia na forma convencional. PALAVRAS-CHAVE: Amiréia, digestibilidade, PDR.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

01-11-2006

Como Citar

Oliveira Junior, R. C. de, Pires, A. V., Fernandes, J. J. de R., Santos, F. A. P., Susin, I., & Araujo, R. C. de. (2006). EFEITOS DE FONTES NITROGENADAS, EM DIETAS COM ALTO TEOR DE CONCENTRADO PARA BOVINOS DE CORTE, SOBRE O CONSUMO DE MATÉRIA SECA, DIGESTIBILIDADE E DEGRADABILIDADE DOS NUTRIENTES. Ciência Animal Brasileira, 7(3), 207–216. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/419

Edição

Seção

Produção Animal