PERFIL SANITÁRIO DOS REBANHOS CAPRINOS E OVINOS NO SERTÃO DE PERNAMBUCANO

Sylvana Pontual Alencar, Rinaldo Aparecido Mota, Maria Cristina Oliveira Cardoso Coelho, Sergio Alves Nascimento, Silvio Romero de Oliveira Abreu, Roberto Soares Castro

Resumo


Objetivou-se descrever o perfil sanitário da caprinovinocultura do sertão de Pernambuco, sendo visitadas 150 propriedades e descritas as características das instalações, as práticas sanitárias e os achados clínicos mais frequentes. Os resultados mostraram que predominam as instalações com piso de terra batida (74,8%) e descobertas (61,7%) e reservatórios de água abertos (83%). Em apenas 3,4% das propriedades a água era tratada. O registro das ocorrências era realizado por apenas 26% dos produtores e 47,6% tratavam o umbigo dos recém-nascidos com iodo. No que diz respeito às carcaças, 31,8% dos proprietários davam destino adequado a elas. A higiene diária das instalações era realizada em apenas 14% das propriedades e a desinfecção em 16,9%. A vermifugação foi a prática mais difundida (88,2%) e apenas 6,2% dos produtores dispunham de assistência técnica contínua. Os principais achados clínicos foram sugestivos de doenças infecciosas e parasitárias. Conclui-se que a caprinovinocultura do Sertão de Pernambuco é desenvolvida em instalações modestas, o manejo sanitário é deficiente e as tecnologias disponíveis são pouco utilizadas, impossibilitando a prevenção e controle de doenças, principalmente as de origem infecciosa e parasitária.

PALAVRAS-CHAVES: Brasil, epidemiologia, manejo sanitário, sanidade animal, semiárido.

Palavras-chave


Sanidade animal; Manejo sanitário; Epidemiologia; Semi-árido; Brasil

Texto completo:

PDF HTML




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas