SINCRONIZAÇÃO DE ESTROS PARA IATF ASSOCIADA AO DESMAME TEMPORÁRIO OU ANTECIPADO EM VACAS DE CORTE

Reinaldo Leopoldino Souza Neto, Marcelo Maronna Dias, Fabrício de Azevedo Velho, João Batista Souza Borges

Resumo


O objetivo deste experimento foi avaliar a eficiência reprodutiva de vacas de corte com cria ao pé em programas de inseminação artificial (IA), utilizando práticas de desmame definitivo antecipado (DA) ou temporário (DT) e terapia de sincronização de estros para inseminação artificial a tempo fixo (IATF). Utilizaram-se 205 vacas Angus x Nelore, com condição corporal de 2,6±0,4 (escala de 1 a 5) e período pós-parto variando entre 54 e 122 dias. Após o DA, o número de 153 vacas foi dividido em três grupos de acordo com o protocolo utilizado para IA ou IATF. Submeteu-se um grupo de vacas ao controle de estros e IA por um período de trinta dias (DA-IA, n= 53), a partir de dez dias depois do DA. A sincronização de estros para a IATF foi realizada em dois grupos de vacas após o DA, diferindo apenas em relação ao momento do início dos tratamentos. No grupo DA-IATF (n= 50), o tratamento iniciou-se no dia do aparte dos terneiros, enquanto no grupo DA-IATF 10 (n= 50) os hormônios foram aplicados dez dias após o DA. A terapia hormonal consistiu da aplicação de um dispositivo intravaginal contendo 1,9 g de progesterona, por oito dias, e a aplicação de 2 mg de benzoato de estradiol, im. No momento da retirada do implante, foram aplicados 75 mcg de cloprostenol, im, e, 24 horas após, 1mg de benzoato de estradiol, im. Procedeu-se à IATF entre 52 a 56 horas após a retirada do dispositivo. O mesmo tratamento hormonal foi utilizado em vacas que tiveram os terneiros desmamados temporariamente por um período de sessenta horas (DT-IATF, n= 52), desde a retirada do implante até a IATF. O período de monta natural foi de sessenta dias para DA-IATF e DT-IATF, de cinquenta dias para DA-IATF10 e de trinta dias para o DA-IA. No início do estudo, determinou-se, em uma amostragem de 20% das vacas, a taxa de aciclia de 55%, mediante a avaliação da função ovariana por ultrassonografia. Os diâmetros dos folículos dominantes no início do tratamento hormonal e no momento da IATF das vacas submetidas à sincronização de estros para IATF (DA-IATF, n= 10; DA-IATF 10, n= 10 e DT-IATF, n= 10) foram determinados por ultrassonografia. As médias dos diâmetros foliculares não diferiram (P>0,05) no início (7,0±3,1mm; 8,1±1,9mm e 6,5±1,7mm) e no dia da IATF (9,8±1,4mm; 12,5±1,2mm e 11,8±2,8mm) para DA-IATF, DA-IATF 10 e DT-IATF, respectivamente.  As taxas de prenhez na IA foram 57%, 48%, 48% e 46% e ao final do período reprodutivo, 77%, 88%, 68% e 78%, para DA-IA, DA-IATF, DA-IAF 10 e DT-IATF, respectivamente, não apresentando diferença significativa (P>0,05). De acordo com os resultados obtidos neste estudo, o DA não promoveu maior eficiência reprodutiva na comparação com o DT nos programas de sincronização de estros para IATF e o intervalo de dez dias entre o DA, e o início do tratamento hormonal não incrementou a taxa de prenhez da IATF.

Palavras-chaveS: Desmame definitivo, inseminação artificial a tempo fixo, vacas de corte.

Palavras-chave


Reprodução Animal

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas