SOROVARES DE Leptospira interrogans E RESPECTIVAS PREVALÊNCIAS EM CAVALOS DA MICRORREGIÃO DE GOIÂNIA, GO

Autores

  • Guido Fontgalland Coelho Linhares
  • Raul José Silva Girio
  • Daniel Correia Lima Linhares
  • Letícia Caldas Mondeiro
  • Ana Paula Ázara de Oliveira

Resumo

A leptospirose eqüina é uma doença infecciosa que se manifesta, principalmente, por uveíte recorrente, abortos e outros distúrbios reprodutivos, podendo ser transmitida acidentalmente ao homem.O presente trabalho teve como objetivo identificar os sorovares do complexo Leptospira interrogans e estudar a sua prevalência em cavalos da microrregião de Goiânia. Para a pesquisa foram utilizadas 182 amostras de soro, colhidas conforme delineamento estatístico. As amostras foram submetidas à pesquisa de anticorpos específicos através da prova de soroaglutinação microscópica, utilizando-se antígenos vivos cultivados em meio EMJH, enriquecido com 10% de soro de coelho, referentes aos seguintes sorovares: australis, autumnalis, ballum, bataviae, butembo, canicola, grippotyphosa, hardjo, icterohaemorrhagiae, javanica, panama, pomona, pyrogenes, tarassovi, whitcombi e wolffi.Considerou-se amostra positiva aquela que apresentou aglutinação igual ou superior a 1/100. Dos 182 soros sangüíneos analisados, 82 (45,05%) foram reagentes a um ou mais sorovares de Leptospira interrogans e 100 (54,95%)foram negativos. Dentre os soros reagentes, 56 (68,29%)foram positivos para o sorovar ictero haemorrhagie, 11(13,41%) para pomona, 7 (8,53%) para wolffi, 5 (6,09%) para hardjo e 3 (3,65%) para tipo canicola. PALAVRAS-CHAVE: Cavalos, leptospira interrogans, leptospirose, soroprevalência, sorovares, teste de soroaglutinação microscópica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-10-31

Como Citar

LINHARES, G. F. C.; GIRIO, R. J. S.; LINHARES, D. C. L.; MONDEIRO, L. C.; OLIVEIRA, A. P. Ázara de. SOROVARES DE Leptospira interrogans E RESPECTIVAS PREVALÊNCIAS EM CAVALOS DA MICRORREGIÃO DE GOIÂNIA, GO. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 6, n. 4, p. 255–259, 2006. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/376. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Medicina Veterinária