DIAGNÓSTICO DE INFECÇÃO URINÁRIA EM FÊMEAS SUÍNAS PRODUTIVAS EM GRANJAS COMERCIAIS NO SUL DO BRASIL

Autores

  • Álvaro Menin UDESC
  • Carolina Reck ICASA
  • Jean Carlos Capelli
  • Sandra Maria Ferraz UDESC
  • Eliana Knackfuss Vaz UDESC

Palavras-chave:

Sanidade Animal

Resumo

O objetivo deste estudo é determinar os aspectos microbiológicos e físico-químicos da urina de 922 fêmeas suínas com suspeita clínica de infecção urinária (IU) em diversas fases de produção em granjas comerciais no Sul do Brasil e estabelecer o perfil de sensibilidade a antibóticos dos agentes bacterianos mais freqüentemente isolados. Confirmou-se o diagnóstico de infecção urinária em 886 (93,98%) das 922 fêmeas com sinais clínicos de IU. Os agentes bacterianos isolados em cultura pura com maior freqüência foram Escherichia coli (48,13%) e Streptococcus sp (27,58%). As fêmeas apresentaram, com maior freqüência, no exame físico da urina, coloração amarelo-clara (32,3%), aspecto turvo (86,6%) e odor amoniacal (66,04%). Quanto aos valores de pH, as fêmeas com e sem IU apresentaram valores médios de 6,42 e 6,29, respectivamente. Os parâmetros clínicos dos animais e aspectos físico-químicos da urina devem sempre ser levados em consideração na avaliação da ocorrência de IU, no entanto, não devem ser considerados isoladamente como indicadores de IU, uma vez que somente a análise conjunta torna-os representativos e significantes. Os antimicrobianos mais eficientes no controle de IU foram ceftiofur, norfloxacina e enrofloxacina. PALAVRAS-CHAVES: Antibiograma, bacteriologia, Escherichia coli, Streptococcus sp, suínos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

03-04-2008

Como Citar

Menin, Álvaro, Reck, C., Capelli, J. C., Ferraz, S. M., & Vaz, E. K. (2008). DIAGNÓSTICO DE INFECÇÃO URINÁRIA EM FÊMEAS SUÍNAS PRODUTIVAS EM GRANJAS COMERCIAIS NO SUL DO BRASIL. Ciência Animal Brasileira, 9(1), 197–206. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/3679

Edição

Seção

Medicina Veterinária