ESTUDO ANATOMOPATOLÓGICO DE LESÕES DE DERMATITE DIGITAL EM BOVINOS

Glauciane Ribeiro Castro, Luiz Augusto Batista Brito, Maria Clorinda Soares Fioravanti, Luiz Antonio Franco da Silva, Eugênio Gonçalves Araújo, Camila França de Paula Orlando, Leandro Guimarães Franco, Maria Ivete Moura

Resumo


Este trabalho objetivou caracterizar os aspectos anatomopatológicos das lesões de dermatite digital em diferentes fases evolutivas. O estudo ocorreu entre agosto de 2004 e novembro de 2005, utilizando-se quarenta vacas alocadas em quatro grupos, contendo dez animais cada. O grupo I (GI) foi composto por animais clinicamente saudáveis e os grupos II (GII), III (GIII) e IV (GIV), com lesões na fase inicial, erosiva e proliferativa, respectivamente. No GII, à histologia observaram-se espessamento do estrato córneo, necrose tecidual, hiperplasia, acantose, espongiose e hiperqueratose. No GIII, observou-se a presença de hiperemia, úlcera, tecido de granulação, hemorragia e, microscopicamente espessamento, da camada córnea, paraqueratose e necrose multifocal. No GIV, lesões com aspecto verrucoso, presença de pêlos, projeções papilares foram observadas macroscopicamente e, ao exame histológico, destruição da camada córnea e da epiderme com necrose tecidual em todas as amostras do grupo. Em relação a microbiota, independente do grupo não se notou a presença de fungos. Quanto às bactérias, registrou-se presença de flora mista, especialmente de espiroquetas no GII, GIII e GIV. Ao final, concluiu-se que alterações histológicas nas diferentes fases da dermatite digital podem estar comumente presentes, diferindo quanto à gravidade. A presença de microorganismos espiralados sugere a associação destes com a etiopatogenia.

PALAVRAS-CHAVES: Enfermidades digitais erosivas e proliferativas, histopatologia, vacas.

Palavras-chave


vacas; enfermidades digitais; erosiva; proliferativa; histopatologia.

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas