UTILIZAÇÃO DE CLOPROSTENOL SÓDICO E BENZOATO DE ESTRADIOL EM VACAS DE CORTE INSEMINADAS EM TEMPO-FIXO OU COM OBSERVAÇÃO DE CIO

Luiz Francisco Machado Pfeifer, Eduardo Madeira Castilho, Augusto Schneider, Elias Moura da Luz, Thomaz Lucia Júnior, Nelson José Laurino Dionello, Marcio Nunes Corrêa

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar o emprego de um análogo da prostaglandina F2α (PGF2α) em associação ao benzoato de estradiol (BE) em programas de sincronização de cios. Utilizaram-se 185 fêmeas não-lactantes divididas em quatro grupos. O G1 (44) e o G2 (46) receberam duas aplicações de PGF2α (D0 e D11) e os animais do G3 (26) e G4 (37) uma aplicação de PGF2α, após cinco dias de detecção de cio. O G1 e o G3 receberam 1mg de BE 48 horas após a PGF2α. A taxa de prenhez na IA foi de 42,2% no G1, 47,8% no G2, 32,1% no G3 e 57,6% no G4 (p>0,05) e de 38,4% e 51,4% para animais submetidos à IATF e à detecção de cio, respectivamente (p>0,05). Notou-se que a taxa de prenhez nas fêmeas inseminadas em tempo-fixo não diferiu daquelas que foram inseminadas após a detecção de cio.

Palavras-chaves: Bovinos de corte, inseminação artificial em tempo fixo, prostaglandina, sincronização de cios.


Palavras-chave


Inseminação, Cio, Vacas

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas