PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO QUÍMICO- BROMATOLÓGICA DA Brachiaria brizantha CV. MARANDU ADUBADA COM DEJETOS LÍQUIDOS DE SUÍNOS

Márcia Cristina Barnabé, Beneval Rosa, Eurípedes Laurindo Lopes, Gudesteu Porto Rocha, Eurídice de Paula Pinheiro, Karina Rocha Freitas

Resumo


O presente trabalho avaliou os efeitos da aplicação de diferentes quantidades de dejetos líquidos de suínos (DLS) na adubação da Brachiaria brizantha cv. Marandu em relação à adubação química normalmente recomendada, quanto à produção e à composição químico-bromatológica durante o período de janeiro a abril de 2000. Os tratamentos consistiram em T1= controle, T2= adubação química (60 kg/ha de N na forma de sulfato de amônio, 30 kg/ha de P2O5 na forma de superfosfato simples e 37,5/ha de K2O na forma de cloreto de potássio), T3= 50 m³/ha de dejetos, T4= 100 m³/ha de dejetos e T5= 150 m³/ha de dejetos, sendo as adubações divididas em três aplicações. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos completos casuali-zados, com quatro repetições. Avaliaram-se a produção de matéria seca (PMS) (kg/ha), os teores médios de proteína bruta (PB), de fibra em detergente neutro (FDN), de fibra em detergente ácido (FDA) e de hemicelulose (HC), além dos teores médios dos macrominerais: fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca) e magnésio (Mg). A adubação com dejetos e a adubação química proporcionaram incrementos signi-ficativos na PMS do capim Marandu. A aplicação de DLS influenciou a composição bromatológica da forrageira, bem como a composição química. Pelos resultados encontrados pode-se recomendar a aplicação de 150 m3/ha de DLS para substituir a adubação química recomendada.

PALAVRAS-CHAVES: FDA, FDN, macroelementos minerais, proteína bruta, produção de matéria seca


Palavras-chave


Dejetos de suínos, adubação orgânica

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas