PREVALÊNCIA DE LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA, DIARRÉIA VIRAL BOVINA RINOTRAQUEÍTE INFECCIOSA BOVINA E NEOSPOROSE BOVINA EM 26 PROPRIEDADES LEITEIRAS DA REGIÃO NORDESTE DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

Rafael Frandoloso, Luiz Carlos Kreutz, Deniz Anziliero, Julio Spagnolo, Namur Kuse, Cleber Fiori, Leonardo José Gil Barcellos, Gabriela Trentin Scortegagna

Resumo


Objetivou-se investigar a freqüência de aglutininas anti-Brucella abortus em caprinos e ovinos do Sertão do Estado de Pernambuco, Brasil. Foram processadas 700 amostras de soros sangüíneos, das quais 340 eram da espécie caprina (115 machos e 225 fêmeas) e 360 (136 machos e 224 fêmeas) ovina. Empregou-se a técnica do antígeno acidificado tamponado (AAT) corado com rosa bengala (RB). Das 340 amostras de caprinos avaliadas, duas (0,6%) foram reagentes ao AAT. Não se observaram associações significativas para as variáveis faixa etária (p= 0,430), raça (p= 0,936) e sexo (p= 0,562). Das 360 amostras de ovinos, nove (2,5%) foram reagentes. Também não houve associação significativa entre as variáveis analisadas e a soropositividade para brucelose: faixa etária (p= 0,522); raça (p= 0,576) e sexo (p= 0,461). Verificou-se associação significativa (p= 0,042) entre as espécies estudadas e soropositividade para brucelose nos animais investigados. A soropositividade para Brucella abortus em caprinos e ovinos foi descrita pela primeira vez no Sertão de Pernambuco, fato que pode dificultar o sucesso do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose, tendo em vista que nessa região é comum a criação consorciada de pequenos ruminantes com bovinos, além de representar riscos à Saúde Pública.

PALAVRAS-CHAVES: Brucelose, ovinos, caprinos, pequenos ruminantes, sorodiagnóstico.

Palavras-chave


Sanidade Animal

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas