FREQÜÊNCIA DE AGLUTININAS ANTI-Brucella abortus EM CAPRINOS E OVINOS DO SERTÃO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, BRASIL

Marcília Maria Alves Souza, Neurisvan Ramos Guerra, Vânia Lúcia de Assis Santana, Rinaldo Aparecido Mota

Resumo


Objetivou-se investigar a freqüência de aglutininas anti-Brucella abortus em caprinos e ovinos do Sertão do Estado de Pernambuco, Brasil. Foram processadas 700 amostras de soros sangüíneos, das quais 340 eram da espécie caprina (115 machos e 225 fêmeas) e 360 (136 machos e 224 fêmeas) ovina. Empregou-se a técnica do antígeno acidificado tamponado (AAT) corado com rosa bengala (RB). Das 340 amostras de caprinos avaliadas, duas (0,6%) foram reagentes ao AAT. Não se observaram associações significativas para as variáveis faixa etária (p= 0,430), raça (p= 0,936) e sexo (p= 0,562). Das 360 amostras de ovinos, nove (2,5%) foram reagentes. Também não houve associação significativa entre as variáveis analisadas e a soropositividade para brucelose: faixa etária (p= 0,522); raça (p= 0,576) e sexo (p= 0,461). Verificou-se associação significativa (p= 0,042) entre as espécies estudadas e soropositividade para brucelose nos animais investigados. A soropositividade para Brucella abortus em caprinos e ovinos foi descrita pela primeira vez no Sertão de Pernambuco, fato que pode dificultar o sucesso do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose, tendo em vista que nessa região é comum a criação consorciada de pequenos ruminantes com bovinos, além de representar riscos à Saúde Pública.

PALAVRAS-CHAVES: Brucelose, ovinos, caprinos, pequenos ruminantes, sorodiagnóstico.

Palavras-chave


Sanidade Animal

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas