ESTUDO ANATÔMICO DAS ARTÉRIAS DO OMBRO DE Cebus libidinosus (RYLANDS, 2000; PRIMATES – CEBIDAE)

  • Tales Alexandre Aversi-Ferreira
  • Jarbas Pereira-de-Paula
  • Mário de Souza Lima-e-Silva
  • Yandra Cássia Lobato do Prado
  • Zenon Silva

Resumo

As pesquisas nos Cebus libidinosus têm sido incremAs pesquisas nos Cebus libidinosus têm sido in¬crementadas, em razão do pouco conhecimento de sua morfofisiologia e por terem expressivo desenvolvimento psicomotor comparável ao dos primatas do Velho Mundo. A região do ombro merece especial atenção, em virtude dos hábitos arborícolas e as constantes manipulações de objetos. Neste trabalho utilizaram-se 24 exemplares de Cebus libidinosus doados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) de Sete Lagoas, MG, Brasil, sacrificados de acordo com as recomendações do Comitê Brasileiro de Experimentação Animal (COBEA) e inclu¬ídos nas coleções anatômicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Universidade Federal de Goiás (UFG). O sistema arterial destes indivíduos foi injetado com látex corado e posteriormente dissecaram-se as artérias sob lupa estereoscópica. Na maioria dos casos, as artérias encontra¬da, apresentaram relativa correspondência de distribuição e número comparável ao modelo humano e de outros primatas, com variações quanto à frequência e origem dos vasos. De modo geral as artérias do ombro deste Cebídeo se originaram de vasos derivados indiretamente da artéria axilar, uma vez que surgiram como pequenos troncos arte¬riais que se subdividiram, e não como ramos individuais, como descrito nos outros animais estudados, e de modo específico ocorreram variações de todas as estruturas em relação aos outros primatas estudados. PALAVRAS-CHAVES: Anatomia, artérias, Cebus libidinosus, primatas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
05-07-2007
Como Citar
Aversi-Ferreira, T. A., Pereira-de-Paula, J., Lima-e-Silva, M., Prado, Y. C., & Silva, Z. (2007). ESTUDO ANATÔMICO DAS ARTÉRIAS DO OMBRO DE Cebus libidinosus (RYLANDS, 2000; PRIMATES – CEBIDAE). Ciência Animal Brasileira, 8(2), 273-284. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/1352
Seção
Medicina Veterinária