ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS DE CÃES ADULTOS NECROPSIADOS NA ESCOLA DE VETERINÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS DE MAIO A JULHO DE 2004

Autores

  • Kellen de Sousa Oliveira UFG
  • Eugênio Gonçalves de Araújo UFG
  • Luiz Antônio Franco da Silva
  • Liliana Borges de Menezes

Resumo

As alterações prostáticas são consideradas freqüen¬tes em cães idosos, mas o exame clínico da próstata não constitui rotina em diversos centros clínicos veterinários. Este estudo teve por objetivo descrever as alterações his¬tológicas de próstatas de cães provenientes do Centro de Controle de Zoonoses de Aparecida de Goiânia. Fragmen¬tos de cinqüenta próstatas foram processados de acordo com a técnica de rotina para colorações H&E e examina¬dos em microscópio de luz. Selecionaram-se, também, al¬guns fragmentos para coloração para Gram. Foram obser¬vadas alterações em 100% dos casos, sendo que 31 (62%) animais apresentaram prostatite, 25 (50%) hiperplasia prostática benigna, 4 (8%) displasia e 1 (2%) adenocar¬cinoma. Na pesquisa microbiológica para Gram não foi encontrada qualquer bactéria. Como algumas glândulas apresentaram mais de uma alteração, o número de diag¬nósticos foi maior que a quantidade colhida. Concluiu-se que alterações prostáticas são comuns, particularmente em cães de rua, sugerindo que um exame da próstata em cães deva ser realizado de forma rotineira na clínica de pe¬quenos animais, mesmo na ausência de sinais clínicos de afecção da glândula, e que a freqüência de prostatites não-bacterianas em cães é elevada, assim como no homem. PALAVRAS-CHAVES: Cão, HPB, próstata, prostatite não-bacteriana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-07-05

Como Citar

OLIVEIRA, K. de S.; ARAÚJO, E. G. de; SILVA, L. A. F. da; MENEZES, L. B. de. ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS DE CÃES ADULTOS NECROPSIADOS NA ESCOLA DE VETERINÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS DE MAIO A JULHO DE 2004. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 8, n. 2, p. 267–272, 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/1351. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Medicina Veterinária