EFEITO DA ADIÇÃO DA ENZIMA FITASE EM RAÇÕES PARA FRANGOS DE CORTE COM REDUÇÃO DOS NÍVEIS DE FÓSFORO NAS DIFERENTES FASES DE CRIAÇÃO

Autores

  • Antonio Carlos de Laurentiz
  • Otto Mack Junqueira
  • Rosemeire da Silva Filardi
  • Vinícius Assuena
  • Elenice Maria Casartelli
  • Ramiro da Costa

Resumo

Quatrocentos pintos de corte machos, com um dia de idade, foram distribuídos ao acaso em quatro tratamentos, sendo quatro repetições de 25 aves por tratamento. Constituíram-se os tratamentos por diferentes níveis de fósforo disponível (Pd) nas diferentes fases. No tratamento-controle (T1) os níveis de Pd na fase inicial, crescimento e final foram de 0,45%; 0,41% e 0,38%, respectivamente. Nos tratamentos 2, 3 e 4, as reduções ocorreram, respectivamente, na fase final (0,14% Pd), nas fases de crescimento e final (0,17% e 0,14% Pd) e em todas as fases (0,21%; 0,17% e 0,14% Pd). Quando ocorreu a redução dos níveis de Pd nas diferentes fases, suplementaram-se as rações com a enzima fitase (500 FTU/kg de ração). Nas diferentes fases de criação, a redução do teor de Pd, com a utilização da enzima fitase, teve efeito sobre o desempenho, as características da cama e os ossos. Na fase de crescimento, a redução no nível de Pd de 0,41% para 0,17%, com a utilização de fitase, piorou a conversão alimentar e o índice de eficiência de produtividade. Entretanto, na fase final a redução do nível de Pd de 0,38% para 0,14%, com a inclusão de fitase, determinou o desempenho e as características ósseas semelhantes ao tratamento-controle. PALAVRAS-CHAVES: Cama de frango, coeficiente de resíduo, desempenho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-07-04

Como Citar

LAURENTIZ, A. C. de; JUNQUEIRA, O. M.; FILARDI, R. da S.; ASSUENA, V.; CASARTELLI, E. M.; COSTA, R. da. EFEITO DA ADIÇÃO DA ENZIMA FITASE EM RAÇÕES PARA FRANGOS DE CORTE COM REDUÇÃO DOS NÍVEIS DE FÓSFORO NAS DIFERENTES FASES DE CRIAÇÃO. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 8, n. 2, p. 207–216, 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/1343. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Produção Animal