NÍVEIS DE ZINCO NA DIETA DE LEITÕES RECÉM-DESMAMADOS SOBRE O PERFIL DE PARÂMETROS SANGÜÍNEOS

Autores

  • Vânia Maria Arantes UFU
  • Maria Cristina Thomaz
  • Rodolfo Nascimento Kronka
  • Euclides Braga Malheiros
  • Vinicius Mundim de Barros
  • Eduardo Souza Pinto
  • Fábio Enrique Lemos Budiño
  • Alessandro Luís Fraga
  • Rizal Alcides Robles Huaynate
  • Urbano dos Santos Ruiz

Resumo

adição de diferentes níveis (0, 1.500, 3.000 e 4.500 ppm) de zinco (utilizando como fonte o ZnO) na dieta de leitões influencia o perfil de parâmetros sangüíneos (cálcio, cobre, ferro, zinco, hemoglobina (Hb)), hematócrito (Ht), proteínas séricas totais (PST), albumina (ALB), globulina (GLOB) e atividade enzimática sérica de fosfatase alcalina (FA), aspartato aminotransferase (ASP), alanina aminotransferase (ALT) e gama glutamil transferase (GGT)). Utilizaram-se sessenta leitões machos castrados, mestiços, desmamados aos 21 dias de idade, procedentes de sistema de criação em sítios separados, dentro dos períodos: Período 1 (P1), do desmame (dia zero) até 14 dias pós-desmame; Período 2 (P2), de 15 a 42 dias pós-desmame e Período Total (PT), do desmame aos 42 dias pós-desmame. As coletas de sangue foram efetuadas aos 0, 7, 14, 21 e 42 dias pós-desmame. Utilizou-se o DIC, num esquema em parcelas subdivididas, tendo como parcelas os quatro níveis de Zn nas rações, e como subparcelas os dias de coleta. Concluiu-se que a adição de 4.500 ppm de Zn por duas semanas pós-desmame pode elevar o nível sérico de Zn. Os parâmetros sangüíneos sofreram efeito do dia de coleta. PALAVRAS-CHAVES: Leitões desmamados, óxido de zinco, suínos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-07-04

Como Citar

ARANTES, V. M.; THOMAZ, M. C.; KRONKA, R. N.; MALHEIROS, E. B.; BARROS, V. M. de; PINTO, E. S.; BUDIÑO, F. E. L.; FRAGA, A. L.; HUAYNATE, R. A. R.; RUIZ, U. dos S. NÍVEIS DE ZINCO NA DIETA DE LEITÕES RECÉM-DESMAMADOS SOBRE O PERFIL DE PARÂMETROS SANGÜÍNEOS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 8, n. 2, p. 193–206, 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/1342. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Produção Animal