PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA Brachiaria brizantha E Brachiaria decumbens SUBMETIDAS A DIFERENTES ADUBAÇÕES

Luciana Carvalho Santos, Paulo Bonomo, Cristina Cavalcante Félix da Silva, Aureliano José Vieira Pires, Cristina Mattos Veloso, Neusete Maria da Silva Patês

Resumo


Objetivou-se, com este trabalho, avaliar a produção e a composição química de dois cultivares de braquiária com diferentes adubações. Instalou-se o experimento em casa de vegetação no Campus Juvino Oliveira pertencente à UESB, localizado na cidade de Itapetinga, BA. O ensaio foi desenvolvido em esquema fatorial 2x5, sendo dois cultivares de Brachiaria (B. brizantha cv. marandu e B. decumbens cv. basilisk) e cinco adubações (sem adubo, N, P, NP e NK), mediante a utilização de 50 kg.ha-1 de P, 30 kg.ha-1 de K e 300 kg.ha-1 de N como nutrientes. O delineamento adotado foi inteiramente ao acaso, com quatro repetições. Utilizaram-se vasos plásticos com 30 cm de diâmetro por 22 cm de altura e capacidade de 10 dm3. Efetuaram-se três coletas de amostras da parte aérea, sendo cada período correspondente a 28 dias de crescimento da planta. Procedeu-se à coleta dessas amostras e secagem destas em estufa, sendo depois moídas a 1 mm. Posteriormente, fez-se uma amostra composta. Os resultados demonstram que a interação entre os cultivares e a adubação foi significativa para produção de massa seca da parte aérea e cinzas. O cultivar basilisk mostrou-se superior em relação ao cultivar marandu na maioria das variáveis analisadas. Os valores encontrados para a composição química dos cultivares em estudo estão de acordo com os valores tabelados para gramíneas com rebrota de 28 dias.

PALAVRAS-CHAVES: Baquiária, proteína bruta, raízes.

Palavras-chave


Produção de forragem

Texto completo:

PDF




Logotipo do IBICT
Visitantes: contador de visitas