EDUCAÇÃO KAIABI: UM DIÁLOGO ENTRE O CURRÍCULO E OS PROJETOS PARA SUSTENTABILIDADE NAS ALDEIAS

  • Artema Lima UFMT
  • Michèle SATO UFMT
Palavras-chave: educação escolar indígena, educação ambiental e Kaiabi.

Resumo

RESUMO: Este artigo pretende descrever as táticas educativas e ambientais proposta numa pesquisa qualitativa, em três aldeias Kaiabi no Parque Indígena do Xingu (PIX) - MT. Uma metodologia desenvolvida por meio de uma observação-participante nos trabalhos de acompanhamento pedagógico nas escolas indígenas. Revelam-se quais os caminhos e as possibilidades para se estabelecer o diálogo entre o Projeto Político Pedagógico, o cotidiano e as iniciativas de projetos ambientais sustentáveis desenvolvidos nas comunidades. Ressaltando e valorizando a importância da construção de um currículo diferenciado e contextualizado culturalmente. O respeito à cosmologia, as percepções e a classificação do povo Kaiabi na construção de novas relações com a natureza para a gestão ambiental em territórios indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artema Lima, UFMT
Bióloga, Indigenista, com Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso e membro da Operação Amazônia Nativa – OPAN. Email: artemalima@gmail.com
Michèle SATO, UFMT

Pós-Doutorado em Educação, professora e pesquisadora da UFMT & UFSCar, bolsista produtividade CNPq. Email:michelesato@gmail.com

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas/SEF. Brasília: MEC, 2002.

CARVALHO, Isabel de. Educação Ambiental Crítica: Nomes e Endereçamentos da Educação. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. 2004. p.13 -29.

CÔRTEZ, Clélia Neri. O significado da Educação entre os professores Bakairi e Xavante. In: SECCHI, Darci (Org.). Tecendo os caminhos da Educação escolar indígena. Anais da Conferência AMERÍNDIA de Educação. SEDUC-MT/ Conselho de Educação Escolar Indígena, 1998. p. 213 - 217.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – saberes necessários á prática educativa. 23 ° edição. Niterói: Paz e Terra e S/A, 2002, p.165.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. São Paulo: LTC, 1989, p.213.

GRUNBERG, Georg. Os Kaiabi do Brasil Central – História e Etnografia. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2004, p.299.

LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Educação, Emancipação e sustentabilidade: Em defesa de uma pedagogia libertadora para a EA. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental; 2004. p. 85-111.

LIMA, Artema S. Almeida. Cosmologia Educativa: a educação ambiental na vida dos Kaiabi do Xingu. Cuiabá: 2007, 119f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós graduação em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2007.

LIMA, Jackson Pantoja. Aspectos da ecologia reprodutiva de Podocnemis expansa, Podocnemis sextuberculata e Podocnemis unifilis na Reserva Biológica de Abufari, Amazonas, Brasil. 2007, 87f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - IMPA/UFAM, Manaus.

MATTOS, C. L. G. A abordagem etnográfica na investigação científica. Rio de Janeiro: UERJ, 2001. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2006.

PEGGION, Edmundo Antonio. Notas sobre o papel do professor na educação escolar indígena. In: Conselho de Educação Escolar Indígena (Org.) Urucum, Jenipapo e Giz – Educação Escolar Indígena em Debate. SEDUC. Cuiabá: Entrelinhas, 1997, p. 149-158.

SATO, Michèle; PASSOS, Luiz Augusto. Biorregionalismo: identidade histórica e caminhos para a cidadania. In LOUREIRO, Carlos Frederico; LAYARGUES, Phiilippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza (Orgs.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002, p. 221-252.

SATO, Michèle. Projeto de educação ambiental. In: MATO GROSSO – SEDUC. Projeto de Educação Ambiental - PreA: em constante construção. Cuiabá: Tanta Tinta, 2004. p. 70.

SCHMIDT, Marcus Vinicius C. Etnosilvicultura Kaiabi no Parque Indígena do Xingu: Subsídios ao manejo de recursos florestais. 2001, 195f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Esalq/Lastrop, São Carlos.

SECCHI, Darci. Professor Indígena: A formação docente como estratégia de controle da educação escolar em Mato Grosso. 2002, 239f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

SILVA, Geraldo Mosimann da. Uso e conservação da Agrobiodiversidade pelos índios Kaiabi do Xingu. In: BENSUSAN, Nirit (Org.). Seria melhor mandar ladrilhar? Biodiversidade como, para que, por quê. Brasília: Universidade de Brasília/ Instituto Socioambiental, 2002, p. 175-188.

SILVA, Rosa Helena Dias. Povos Indígenas, Estado Nacional e Relações de autonomia – o que a escola tem com isso?. In: Conselho de Educação Escolar Indígena (Org.) Urucum, Jenipapo e Giz – Educação Escolar Indígena em Debate. Cuiabá: Entrelinhas, 1997, p. 49-70.

Publicado
30-12-2011
Como Citar
Lima, A., & SATO, M. (2011). EDUCAÇÃO KAIABI: UM DIÁLOGO ENTRE O CURRÍCULO E OS PROJETOS PARA SUSTENTABILIDADE NAS ALDEIAS. Revista Terceiro Incluído, 1(2), 1-21. https://doi.org/10.5216/teri.v1i2.16769