Esta é uma versão desatualizada publicada em 22-12-2020. Leia a versão mais recente.

Objetividade histórica no Manual de Teoria da História de Roberto Piragibe da Fonseca (1903-1986)

Autores

  • Itamar Freitas Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, Sergipe, Brasil, itamarfreitasufs@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/rth.v23i2.63979

Resumo

Neste artigo, tratamos das ideias de “Teoria da História” e de “objetividade”, veiculadas no impresso propedêutico Manual de Teoria da História, produzido no ambiente da Faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, por Roberto Piragibe da Fonseca, entre 1943 e 1967. O professor de Propedêutica entendia Teoria da História como um construto de Metafísica e Lógica. Com o Manual, Fonseca queria legitimar a cientificidade do discurso do historiador e do professor de História e instrumentalizá-los para combater o materialismo e o ateísmo no Brasil, tanto nas universidades como nas escolas do ensino secundário. O resultado dessa composição em termos de objetividade do conhecimento histórico foi a ideia de que a cientificidade do trabalho do historiador e do professor de História do curso superior seria garantida por meio de uma série de critérios de validação normativa e operacional que consideravam o respeito às leis metafísicas, morais e físicas, empregadas sob diferentes pesos no trabalho de constatação, interpretação e exposição dos fatos.

Biografia do Autor

Itamar Freitas, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, Sergipe, Brasil, itamarfreitasufs@gmail.com

Possui licenciatura em História pela Universidade Federal de Sergipe (UFS-1996), especialização em Organização de Arquivos pela Universidade de São Paulo (USP-1997), mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ (2000), doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP-2006), doutorado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS-2019) e pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília (PPGH/UnB-2014). É professor do Departamento de Educação e do Mestrado Profissional em História (UFS). Tem experiência nas áreas de Ensino de História, Teoria e Metodologia da História e foi parecerista do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) em sete edições e da primeira versão da Base Nacional Curricular Comum (PNLD). Atua como gestor na educação superior pública, com passagens pela direção do Centro de Educação Superior a Distância (CESAD/UFS), presidência da Fundação de Apoio à Pesquisa de Sergipe (FAPESE). Atualmente, é pró-reitor de Gestão de Pessoas na UFS (http://lattes.cnpq.br/5606084251637102).

Referências

ALMEIDA, Tiago Santos. Introdução – Combates pela história das ciências. In: Canguilhem e a gênese do possível: estudo sobre a historicização das ciências. São Paulo: LiberArs, 2018. 18-32.

ASSIS, Arthur Alfaix. Objectivity and the first law of History writing. Journal of the Philosophy of History. Leiden, 1-23, 2016. Disponível em: https://www.academia.edu/31173845/Objectivity_and_the_First_Law_of_History_Writing_2019. Capturado em: 12 mai. 2018.

BARRETO, Dalmo. Roberto Piragibe da Fonseca. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de janeiro, v.147, n.352, 951-954, jul./set. 1986.

BAUER, Wilhelm. Einfürung in das Studium der Geschichte. Tübingen: J.C.B Mohr, 1921.

BEARD, Charles Austin. Aquele sonho nobre [1935]. In: MALERBA, Jurandir (org.). Lições de História: da História científica à crítica da razão metódica no limiar do século XX. Porto Alegre: EDIPUCRS/FGV, 2013. 338-353.

BERNHEIM, Ernst. Lehrbuch der Historischen Methode und der Geschichtsphilosophie. Leipzig: Duncker & Humblot, 1903.

BESCIANI, Maria Stella Martins. O charme da ciência e a sedução da objetividade: Oliveira Vianna entre intérpretes do Brasil. São Paulo: Unesp, 2005.

BESSELAAR, Jean Van Den. Introdução aos estudos históricos. São Paulo: [USP], 1954/1958.

BESSELAAR, José van Den. Introdução aos estudos históricos. 3ed. São Paulo: Editora Pedagógica Universitária, 1973.

CAMARGO JÚNIOR, M. C. V. Questões sobre a profissionalização da História: a disciplina Introdução aos Estudos Históricos no I Simpósio de Professores de História do Ensino Superior (1961). Fato & Versões, [sdt], v.8, 70-89, 2016.

CAMPOS, Milton. Parecer n.443, de 1959. Diário do Congresso Nacional. Brasília, 1871, 06 ago. 1959. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/diarios/BuscaDiario?tipDiario=1&datDiario=26/08/1959&paginaDireta=1871&indSuplemento=Nao&codSuplemento=&desVolumeSuplemento=&desTomoSuplemento= Capturado em: 05, fev. 2010.

CELESTINO, Basílio. Requerimento n.324, de 1959. Diário do Congresso Nacional. Brasília, 2108,01 set. 1959. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/diarios/BuscaDiario?tipDiario=1&datDiario=19/09/1959&paginaDireta=2108&indSuplemento=Nao&codSuplemento=&desVolumeSuplemento=&desTomoSuplemento=> Capturado em: 05, fev. 2010.

CODATO, Adriano Nervo; GUADALINI JÚNIOR, Walter. Os autores e suas ideias: um estudo sobre a elite intelectual e o discurso político do Estado Novo. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.32, 154-164, 2003.

COLLINGOOD, Robin George. Ideia de la historia (Edición revisada que incluye lass conferencias de 1926-1928). México: Fondo de Cultura Económica, 2004.

COTTINGHAM, John. A Descartes Dictionary. Oxford: Blackwell, 1993.

DASTON, Lorraine; GALISON, Peter. Objectivity. New York: Zone Books, 2007.

DESCARTES, René. Discurso do Método (1637). São Paulo: Nova Cultural, 1993a.

DESCARTES, René. Meditações (1641). São Paulo: Nova Cultural, 1993b.

ESPONSEL, José Pedro Pinto. 1º Encontro Brasileiro sobre Introdução ao Estudo da História – Anais. Niterói: Universidade Federal Fluminense; Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, 1970.

FERREIRA, Marieta de Moraes. A história da história no Rio de Janeiro: da UDF à UFRJ. In: A história como ofício: a constituição de um campo disciplinar. Rio de Janeiro: FAPERJ; FGV, 2013. 17-82.

FICO, Carlos; POLITO, Ronald. A história no Brasil (1980-1989): elementos para uma avaliação historiográfica. Ouro Preto: UFOP, 1992.

Folha da Manhã. Cadeira de Metodologia da História nas faculdades de Filosofia e Letras. São Paulo, 6 ago. 1955.

FOLHA DE SÃO PAULO. Questões de metodologia da história / A história e a reforma geral do ensino. São Paulo, 23 abr 1974. Educação, 17.

FOLHA DE SÃO PAULO. Questões de metodologia da história na SBPC. São Paulo, 10 jul. 1973, Educação, 11.

FONCK, Leopold S. J. Wissenschaftliches Arbeiten - Beiträge zur Methodik das akademischen Studiums. Insbruck: Felizian Rauch, 1908.

FONSECA, Roberto Piragibe da. Metodologia da História – elaboração / ensino / estudo. Verbvm – Universidade Católica. Rio de Janeiro, t.15, 534-570, 1958.

FONSECA, Roberto Piragibe da. Programa e breviário de Propedêutica e de Metodologia da História. Verbvm – Universidade Católica. Rio de Janeiro, t.[11], 186-336, 1953.

FONSECA, Roberto Piragibe. Breviário de introdução a ciência do Direito: teoria geral do direito positivo. Rio de Janeiro: Olímpica, 1955.

FREIRE, José Geraldes. Resenha de. JOSÉ VAN DEN BESSELAAR, António Vieira, História do Futuro (livro Anteprimeiro). Edição crítica, prefaciada e comentada. Vol.I, Bibliografia, introdução e texto, p282; Vol. II, Comentário, p263, Aschendorffsche Verlagsbuchhandlung, Münster Westfalen, 1976. Humanitas, Coimbra. v.29-30, 335-339, 1978. Disponível em <https://digitalis-dsuc.pt/bitstream/10316.2/29343/2/Humanitas29-30_artigo54.pdf> Capturado em 5 mar. 2020.

FREITAS, Itamar. Discursos sobre o método em manuais de História (1870-1930). Porto Alegre, 2019. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História; Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

FREITAS, Itamar. Indícios de objetividade na Revista do IHGB: traços diacríticos da persona do historiador no Brasil (1880-1930). Fala. US São Paulo, 6 nov. 2015.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Juraci Montenegro Magalhães nasceu em Fortaleza (1905-2001). Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001. Disponível em: < https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/biografias/juraci_magalhaes> Capturado em: 04 fev. 2020.

GARI, Paul. Jean Glénisson. 2002/2006. Pollagoras - Site consacré aux ouvrages sur la Saintonge. Disponível em <http://pollagoras.free.fr/auteurs/glenisson_jean/glenisson.htm> Capturado em 07 fev. 2020.

GLÉNISSON, Jean; CAMPOS, Pedro Moacyr; COSTA, Emília Viotti da. Iniciação aos estudos históricos. São Paulo: Difusão Europeia, 1961.

GURGEL, Walfredo. Parecer n.127, de 1963. Diário do Congresso Nacional. Brasília, 24 abr. 567-568, 1963.

HALPHEN, Louis. Introduction à l’histoire. Paris: Presses Universitaires de France, 1946. 53-57.

HARTMANN, Edouard. L’inconscient dans l’Histoire. In: Philosophie de l’inconscient. Paris: Germer Baillière, 1877. 410-439.

MARROU, Henri-Irénée. De la connaissance Historique. Paris: Seuil, 1954.

MEGILL, Allan. Teoria da História (1870-1940): objetividade e antinomias da história em um tempo de crise existencial. In: MALERBA, Jurandir (org.). Lições de História: da história científica à crítica da razão metódica no limiar do século XX. Porto Alegre; EDIPUCRS; Rio de Janeiro: FGV, 2013. 11-37.

NASCIMENTO, Thiago Rodrigues. A formação do professor de História no Brasil percurso histórico e periodização Revista História Hoje. São Paulo, v. 2, n. 4, 265-304, 2013.

OLIVEIRA, Krisley Aparecida de. José Honório Rodrigues e a Historiografia brasileira: em defesa de uma concepção de História. Goiânia, 2019. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História – Universidade Federal de Goiás.

PIO X. Carta Encíclica Pascendi Dominici Gregis do Sumo Pontífice Pio X aos patriarcas, primazes, arcebispos, bispos e outros ordinários em paz e comunhão com a Sé Apostólica sobre as doutrinas modernistas. 1907. Disponível em: <http://www.montfort.org.br/bra/documentos/enciclicas/pascendi/> Capturado em: 23 jan. 2018.

REICHARDT, Herbert. Roberto Piragibe da Fonseca, Manual de Teoria da História – Rio de Janeiro, 1970, Editora Fundo de Cultura. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, v.301, 264-265, out./dez 1973.

RODRIGUES, José Honório. Método, teoria, historiografia e pesquisa, disciplinas universitárias. In: Teoria da História do Brasil: introdução metodológica. 3ed. São Paulo: Companhia Editora nacional, 1969. 431-456.

ROIZ, Diogo da Silva. A institucionalização do ensino universitário de Geografia e História na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo entre 1934 e 1956. Agora, Santa Cruz do Sul, v.13, n.1, 65-104. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/agora/article/view/111/70> Capturado em: 06 fev. 2017.

SAAD, Cesar Leonardo Van Kan. Um teorista nos trópicos a escrita de Teoria da História do Brasil de José Honório Rodrigues (1939-1948). Porto Alegre, 2016. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SANTO AGOSTINHO. A cidade de Deus. 2ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996. v.1.

Downloads

Publicado

22-12-2020

Versões

Como Citar

Freitas, I. (2020). Objetividade histórica no Manual de Teoria da História de Roberto Piragibe da Fonseca (1903-1986). Rth |, 23(2), 273–295. https://doi.org/10.5216/rth.v23i2.63979

Edição

Seção

Artigos livres