Educação, sustentabilidade e justiça social: uma análise epistemológica do pensamento de Hans Jonas e Edgar Morin

Autores

  • Helena Maria Ferreira Universidade Federal de Lavras
  • Joel Cezar Bonin Universidade Alto Vale do Rio do Peixe – UNIARP
  • Leticia Carreño-Saucedo Universidad Autonoma del Estado de México

DOI:

https://doi.org/10.5216/rp.v31i1.66944

Resumo

Este artigo ensaístico elege como objeto de estudo o processo educativo em uma perspectiva que articula o princípio da ética da responsabilidade e o princípio da complexidade. Nesse contexto, o objetivo precípuo deste texto é refletir acerca da articulação das ideias de dois pensadores – Hans Jonas e Edgar Morin - que são basilares para uma educação que busca promover a transformação efetiva dos modos de pensar e de agir dos sujeitos-cidadãos. Assim, a partir de uma reflexão teórica, este trabalho questiona a visão utilitária predominante na ordem política e social do mundo moderno, que atribui à escola o papel de ensinar conteúdos em detrimento de uma formação para uma vida saudável e ética na sociedade. Metodologicamente, este artigo apresenta um panorama do princípio da responsabilidade de Hans Jonas e uma explanação que contempla dois saberes necessários à vida humana propostos por Edgar Morin: ensinar a compreensão e a ética do gênero humano. A partir desses princípios, desenvolve-se uma reflexão propositiva, em que se defende a posição de que a Educação constitui um processo integral de formação humana, pois cada ser humano precisa construir o seu modo de vida, tendo por base o compromisso ético com a natureza, a responsabilidade por suas ações e a compreensão das potencialidades de promoção da justiça social por parte de cada cidadão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08-12-2020

Como Citar

Ferreira, H. M. ., Bonin, J. C. ., & Carreño-Saucedo, L. . (2020). Educação, sustentabilidade e justiça social: uma análise epistemológica do pensamento de Hans Jonas e Edgar Morin. Revista Polyphonía, 31(1), 15–34. https://doi.org/10.5216/rp.v31i1.66944

Edição

Seção

Dossiê Escola, Complexidade e Justiça Social