A temática étnica na sala de aula

  • Janaína Fernandes de Freitas

Resumo

As imagens negativas atribuídas à figura do negro, como o mito da “vadiagem”, da “preguiça” ou o mito do “incompetente”, estão extremamente arraigadas às doutrinas raciais que penetraram no cenário brasileiro a partir da segunda metade do século XIX. Elas foram selecionadas, redimensionadas e adaptadas por cientistas, médicos e antropólogos brasileiros, num momento em que a busca pela identidade nacional constituía-se como principal questão durante a Primeira República. Por esta razão, a história da trajetória negra no Brasil não foi considerada importante para ser inserida na historiografia brasileira até então. O mito da democracia racial também parte do ideal ilusório de igualdade para todos, escondendo o racismo na sociedade brasileira. Assim, os estudos de Munanga e Bencini denunciam e desconstroem o mito da democracia racial brasileira. Ainda hoje alguns mitos e antigas imagens se mostram presentes, um pouco mais sutis, e se expressam em brincadeiras, piadas, no pouco acesso aos bens sociais por parte dos negros e na sua inserção na sociedade pela escola. Além disso, um relato de experiência em uma escola pública de Goiânia se apresenta como dado empírico que corrobora que o racismo está inserido no espaço escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaína Fernandes de Freitas
Técnica em Assuntos Educacionais do Setor de Apoio à Ação Pedagógica do Cepae/UFG
Publicado
13-04-2009
Como Citar
Freitas, J. F. de. (2009). A temática étnica na sala de aula. Revista Polyphonía, 19(2), 295-296. https://doi.org/10.5216/rp.v19i2.5950
Seção
Resumos de trabalhos acadêmicos