Abordagens complexas: algumas premissas educacionais no Cepae

  • Danilo Rabelo

Resumo

O impacto da cybercultura e de certas teorias sobre o conhecimento na sociedade de informação, nas últimas décadas, tem levado os educadores a repensarem seus pressupostos teóricos e metodológicos nos processos de ensino-aprendizagem. Nesse contexto, uma ecologia cognitiva (Levy) repensa e critica o racionalismo e as formas tradicionais de apreender e compreender o conhecimento e as relações humanas com os ambientes reais e virtuais. Assim, uma rizomática e complexa rede de teorias, fomentando um diálogo transversal ou transdiciplinar (Morin) e de retroatividade ou reversibilidade, se estabeleceu no meio acadêmico e, muitas vezes, tem mobilizado a opinião pública. Novas concepções sobre inteligência (Gardner), mente (Minsky), lazer (De Masi) etc. têm ultrapassado a visão dualista e essencialista de pólos opostos, a fragmentação do conhecimento e o reducionismo. Aplicadas à educação, essas abordagens humanistas estão voltadas não apenas à formação de cidadãos, mas também para as representações simbólicas de novos modos de vida – vida interior – como necessidades sociais. Estas são as premissas que orientam algumas experiências educacionais no Cepae.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Rabelo
Técnica em Assuntos Educacionais do Setor de Apoio à Ação Pedagógica do Cepae/UFG
Publicado
06-04-2009
Como Citar
Rabelo, D. (2009). Abordagens complexas: algumas premissas educacionais no Cepae. Revista Polyphonía, 19(2), 151-163. https://doi.org/10.5216/rp.v19i2.5903
Seção
Artigos