“Cristo Parou em Éboli”: para um diálogo entre literatura e formação humana

  • Márcia Ferreira Torres Pereira

Resumo

O objetivo desse artigo consiste em compreender, a partir do entrecruzamento das leituras e estudos realizados e em diálogo com Bourdieu, o estabelecimento da relação entre os aspectos interno (estética pura) e externo (reflexo do social) da literatura, ou seja, como expressão do social e criação do espírito humano, considerando o romance “Cristo Parou em Eboli” de Carlo Levi, com possibilidades de extrair desta obra elementos necessários à análise sociológica, interrogar a formação humana e o seu sentido estético emancipatório. O estudo contou com as leituras de alguns teóricos em diálogo com Bourdieu, como: Benjamin (1994); Bourdieu (1994; 2003; 2008); Brum (1996); Cândido (2002); Cohen (1978); Fisher (1981); Goldmann (1979) Lukács (1981) e outros referenciais bibliográficos, como: Adorno e Horkheimer (1978); Brandão (1986). Considera-se a literatura como veículo que intervém em posturas político-culturais diante das formas de produzir a vida, como forma de transformar o mundo, constituinte da cultura e constituída pela cultura, visa conscientização da realidade pela compreensão dialética e estética entre a imanência da tradição e a transcendência com fins à criação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Ferreira Torres Pereira
Doutoranda em Educação na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás – PPGE/FE/UFG.
Publicado
08-02-2019
Como Citar
Pereira, M. F. T. (2019). “Cristo Parou em Éboli”: para um diálogo entre literatura e formação humana. Revista Polyphonía, 29(2). https://doi.org/10.5216/rp.v29i2.57109
Seção
Dossiê: O ensino de Língua Portuguesa e Literatura na escola: caminhos e possibilidades nos estudos de linguagem