Ensino de filosofia e resistência e sub-versões e

  • Renata Lima Aspis UFMG

Resumo

O artigo tem como objetivo levar a uma ideia de um determinado ensino de filosofia que funcione como resistência política na contemporaneidade. Apoia-se nas chamadas filosofias da diferença para traçar um diagrama das relações de poder que compõem o campo de tensões em que se dão os modos de subjetivação atuais. Parte do pressuposto de que a filosofia não pode se furtar de denunciar o presente, o que há de intolerável no presente; uma filosofia do ensino de filosofia não pode deixar de ser uma investigação também política. A hipótese é que se possa inventar um determinado ensino de filosofia para jovens, hoje, na escola, que se configure como vetor de enxame de re-existências. Defende que a resistência, como re-existência, por meio desse ensino de filosofia, seja a criação de versões menores, versões próprias e originárias dos problemas que se possa elaborar, sub-versões dos possíveis mundos, como insistência no vivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Lima Aspis, UFMG
Professora de Filosofia na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Publicado
09-02-2015
Como Citar
Aspis, R. L. (2015). Ensino de filosofia e resistência e sub-versões e. Revista Polyphonía, 23(2), 63-77. https://doi.org/10.5216/rp.v23i2.33911