Brincar: estranhamento ou encantamento? O lúdico que nos move

  • Ana Cristina Polo Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
  • Cristiane Camargo Gimenes dêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
  • Karina de Lamare Leitzke Fernandes Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
  • Maiara M. Carvalho Correa Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
  • Maria Aparecida Bergamaschi Professora da Faculdade de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Resumo

Este trabalho, que tem como enfoque a ludicidade, relata atividades e aprofunda reflexões acerca de jogos e brincadeiras, destacando a importância do lúdico na sala de aula. A partir das observações realizadas numa escola de ensino fundamental, constatamos a ausência de recursos lúdicos no contexto da sala de aula dos anos inicias. Contudo, é notória a importância da ludicidade como ferramenta pedagógica no processo de ensino-aprendizagem. A experiência aqui relatada ocorreu numa escola pública estadual que atende a comunidade do Morro Conceição, na cidade de Porto Alegre-RS, onde atuamos semanalmente com oito turmas, de educação infantil à quarta série, incluindo alunos com idades entre cinco a quatorze anos. Constatamos que a ludicidade e sua mediação não perpassa as práticas pedagógicas nessa escola. No entanto, os alunos apresentaram-se receptivos, disponibilizando-se para o momento lúdico e apropriando- -se dos jogos e brincadeiras. A experiência e as reflexões realizadas possibilitaram um crescimento importante na formação de cada participante do projeto, “contaminando” os alunos com o desejo de brincar. Todavia, para a continuidade do trabalho, fica o desafio de promover uma formação docente voltada para o lúdico, que instigue as educadoras a inserirem jogos e brincadeiras em suas vidas, para que, assim, possam praticá-las na sala de aula, com os seus alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Polo, Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Cristiane Camargo Gimenes, dêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Karina de Lamare Leitzke Fernandes, Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Maiara M. Carvalho Correa, Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Acadêmica em Pedagogia e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Maria Aparecida Bergamaschi, Professora da Faculdade de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Professora da Faculdade de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Coordenadora do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), Pedagogia (UFRGS).
Publicado
29-11-2012
Como Citar
Polo, A. C., Gimenes, C. C., Fernandes, K. de L. L., Correa, M. M. C., & Bergamaschi, M. A. (2012). Brincar: estranhamento ou encantamento? O lúdico que nos move. Revista Polyphonía, 22(1). https://doi.org/10.5216/rp.v22i1.21223
Seção
Artigos