O bestiário poético de Manoel de Barros em Arranjos para assobio

Autores

  • Pedro Carlos Louzada Fonseca Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil. E-mail: pfonseca@globo.com https://orcid.org/0000-0003-0213-7855

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v33.63563

Palavras-chave:

Poesia e bestiário. Visão de mundo. Manoel de Barros. Arranjos para assobio.

Resumo

Este artigo examina uma das mais significativas propriedades da construção poética de Manoel de Barros em Arranjos para assobio, a ressignificação da simbologia da natureza e do seu reino animal de influência buscada na tradição do bestiário medieval. O artigo demonstra, por meio de uma análise comparativa, semelhanças entre imagens e figuralidades da poesia de Manoel de Barros e o bestiário medieval, aproximando-as em termos de visão e entendimento do Mundo: a compreensão de que a inteireza da existência está na fragmentação das coisas e nas harmonias das suas inusitadas aproximações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROS, Manoel. Arranjos para assobio. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998.

______. Retrato do artista quando coisa. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

______. Ensaios fotográficos. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003a.

______. Livro de pré-coisas. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003b.

______. Tratado geral das grandezas do ínfimo. 3.ed. Rio de Janeiro, Record, 2005b.

______. Memórias Inventadas - A infância. São Paulo, Planeta, 2006a.

BOSI, Alfredo. Moderno e modernista na literatura brasileira. In ______. Céu, inferno. Ensaios de crítica literária e ideológica. São Paulo: Ática, 1987.

CAMARGO, Goiandira de Fátima Ortiz de. A poética do fragmentário: Uma leitura da poesia de Manoel de Barros. 1997. Tese (Doutorado em Literatura). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

CASTELO BRANCO, Lúcia (Org.). 7 olhares sobre os escritos de Barros e Pessoa v. 2. Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, 1995. Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/site/publicacoes/download/7olhares2.pdf>. Acesso em: 15 jan 2008.

CASTELO, José. Inventário das Sombras. Rio de Janeiro: Record, 1999.

DAVID, Nismária A. A (meta) poesia de Manoel de Barros: Do lúdico à manifestação do mito. 2004. Dissertação (Mestrado em Literatura). Instituto de Letras, Universidade Estadual de São Paulo.

AUTOR. Animais e imaginário religioso medieval: Os bestiários e a visão da natureza. In: SANTOS, Dulce Oliveira Amarante dos; Maria Zaíra Turchi (orgs.). Encruzilhadas do imaginário: Ensaios de literatura e história. Goiânia: Cânone, 2003, p. 161–177.

GRÁCIA-RODRIGUES, Kelcilene. A inusitada semelhança entre as coisas na poesia de Manoel de Barros. São Paulo: Estudos Linguísticos, v. único, p. 1084-1089, 2006. Disponível em: < http://gel.org.br/4publica-estudos-2006/sistema06/629.pdf >. Acesso em: 17 dez 2007.

GUIZZO, José Octávio. Sobreviver pela palavra. In: BARROS, Manoel. Gramática Expositiva do Chão: Poesia quase toda. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização, 1992.

LINHARES, Andrea Regina Fernandes. Memórias inventadas: Figurações do sujeito na escrita autobiográfica de Manoel de Barros. 2006. Dissertação (Mestrado em História da Literatura). Faculdade de Letras, Fundação Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande. Disponível em: <http://www.ppgletras.furg.br/disserta/andrealinhares.pdf>. Acesso em: 20 dez 2007.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PRIOSTE, José Carlos Pinheiro. A unidade dual: (Manoel de Barros e a poesia). Rio de Janeiro, 2006. Tese (Doutorado em Ciência da Literatura). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 12 jan 2007.

RODRIGUES, Ricardo Alexandre. A Poética da Desutilidade: Um passeio pela poesia de Manoel de Barros. 2006. Dissertação (Mestrado em Literatura). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2007.

TURIBA, Luiz João BORGES. Pedras aprendem silêncio nele. (entrevista). In: BARROS, Manoel de. Gramática expositiva do chão (poesia quase toda). 3ª ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1996.

VASCONCELOS, Vânia Maria de. A poética de Manoel de Barros- uma obra de invenção. Papéis, vol.7, n. 13, 2003.

WALDMAN, Berta. A poesia ao rés do chão. In: BARROS, Manoel de. Gramática Expositiva do chão – poesia quase toda. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.

Downloads

Publicado

16-07-2021

Como Citar

Fonseca, P. C. L. (2021). O bestiário poético de Manoel de Barros em Arranjos para assobio. Signótica, 33. https://doi.org/10.5216/sig.v33.63563

Edição

Seção

Estudos Literários