A obra literária como artefato e ação segundo Roman Ingarden

  • Otávio Guimarães Tavares Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, Brasil
Palavras-chave: Ontologia, Artefato, Performance, Roman Ingarden

Resumo

O presente artigo intenta compreender o conceito de obra literária nos textos de Roman Ingarden a partir das noções de artefato e performance, isto é, a obra de arte como uma artificialização e virtualização do real, segundo uma intencionalidade que configura o sentido como um modo de agir ou uma instrução para ação. Para tal, torna-se necessário localizar a filosofia da arte de Ingarden, distanciada de uma filosofia estética e em consonância, a partir dos anos 1960, com a filosofia da arte anglófona, sobretudo no que concerne ao seu foco ontológico e contextualista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Otávio Guimarães Tavares, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, Brasil

Professor de literaturas anglófonas na Faculdade de Letras Estrangeiras Modernas (FALEM), Instituto de Letras e Comunicação (ILC) da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Publicado
10-04-2019
Como Citar
Tavares, O. (2019). A obra literária como artefato e ação segundo Roman Ingarden. Signótica, 31. https://doi.org/10.5216/sig.v31.52280
Seção
Estudos Literários