Perspectivas sobre protocolos de biossegurança para a realização de aulas práticas em laboratórios

Autores

  • Felipe Coutinho Rodrigues Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, felipecoutinho@discente.ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0002-1143-335X
  • Geovanna Ribeiro Athie Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, geovannaathie@discente.ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0003-3781-3251
  • Izadora Rodrigues da Cunha Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, izadoracunha@discente.ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0002-9891-0429
  • Dhara Rodrigues Cavalcante Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, dharacavalcante@discente.ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0002-5374-3081
  • Flávia Ferreira Costa Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, flaviacosta@discente.ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0001-7935-7237
  • Felipe de Andrade Bandeira Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, felipedeandrade@discente.ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0002-5590-0933
  • Marcela Costa de Almeida Silva Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, marcelacosta@discente.ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0001-5211-055X
  • Michelle Rocha Parise Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, microcha123@ufj.edu.br https://orcid.org/0000-0003-1150-3693

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v17i3.70331

Resumo

O cenário pandêmico causado pelo coronavírus SARS-COV-2, levou instituições do mundo todo a fecharem as portas e encerrarem as atividades presenciais, com o intuito de diminuir a disseminação do novo coronavírus e assim conter os avanços da pandemia. O Brasil, sendo um dos países mais afetados por essa nova emergência global, seguiu a linha adotada por outros países e suspendeu as atividades presenciais das instituições de ensino por tempo indeterminado. Para tentar minimizar o prejuízo da suspensão dos calendários e dar continuidade às atividades de ensino, foi implantada uma modalidade alternativa de educação, com foco na educação remota a partir do uso de plataformas e ferramentas digitais. No entanto, quando falamos em atividades práticas, intrínsecas à formação médica, o seguimento das atividades educacionais via ensino remoto emergencial é insuficiente para suprir as demandas do futuro profissional de saúde, impactando adversamente na formação desses. Sendo assim, esse artigo aborda a problemática colocada no âmbito da graduação médica na Universidade Federal de Jataí e propõe protocolos de biossegurança – no que tange as medidas de proteção individual, a utilização dos espaços das universidades e a organização para a realização das atividades práticas em laboratórios – que podem ser implementados nos planejamentos de retorno as atividades presenciais nas Instituições de Ensino Superior, a fim de garantir a segurança da comunidade acadêmica e a excelência educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Coutinho Rodrigues, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, felipecoutinho@discente.ufj.edu.br

Acadêmico do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí (UFJ). Membro da gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ). Atuou em Iniciação Científica nas modalidades PIVIC e PIBIC-CNPq. Tem interesse nas áreas de Saúde Coletiva, Epidemiologia e Oncologia.

Geovanna Ribeiro Athie , Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, geovannaathie@discente.ufj.edu.br

Acadêmica do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí (UFJ). Vice-presidente da gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ). Atuou em Iniciação Científica na modalidade PIVIC. Tem interesse nas áreas de Saúde Coletiva, Epidemiologia e Clínica Médica.

Izadora Rodrigues da Cunha , Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, izadoracunha@discente.ufj.edu.br

Acadêmica do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí (UFJ). Membro da gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ). Atuou em Iniciação Científica na modalidade PIVIC. Atuou em Extensão Universitária na modalidade PROVEC. Tem interesse nas áreas de Saúde Coletiva, Epidemiologia e Pneumologia. 

Dhara Rodrigues Cavalcante , Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, dharacavalcante@discente.ufj.edu.br

Acadêmica do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí (UFJ). Membro da gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ). Atuou em Iniciação Científica na modalidade PIVIC.

Flávia Ferreira Costa, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, flaviacosta@discente.ufj.edu.br

Acadêmica do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí (UFJ). Membro da gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ). Atuou em Iniciação Científica na modalidade PIVIC. Tem interesse nas áreas de Ciruriga e Pediatria.

Felipe de Andrade Bandeira , Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, felipedeandrade@discente.ufj.edu.br

Acadêmico do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí (UFJ). Membro da gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ). Atuou em Iniciação Científica na modalidade PIVIC. Atuou em Extensão Universitária na modalidade PROVEC. Tem interesse nas áreas de Cirurgia, Oncologia, Imunologia e Produção Científica.

Marcela Costa de Almeida Silva, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, marcelacosta@discente.ufj.edu.br

Acadêmica de Medicina na Universidade Federal Jataí, ingresso em 2018/2. Aluna de Iniciação Científica (PIVIC) do projeto EU QUERO com os planos de trabalho:  'Atenção à saúde da criança na atenção básica a partir da percepção das mães" e "Indicadores de saúde materna e infantil do período dos 1000 dias de vida em Jataí, Goiás" (2019/2021). Presidente do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ), 2021,  e vice-presidente da Liga Acadêmica de Telemedicina e Telessaúde (MEDTECH), ciclo 2020/2021. Atuação no projeto de extensão Canal Medicina UFJ e projeto Anatech, na categoria PROVEC. 2° lugar no I Desafio de Inovação da UFJ - com o projeto "Atlas de Histologia". 
Email: marcelacosta@discente.ufj.edu.br - Currículo Lattes 

Michelle Rocha Parise , Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, microcha123@ufj.edu.br

Doutora em Farmacologia pelo Programa de Pós-Graduação em Farmacologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas. Docente do Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular da Universidade Federal de Goiás. Docente do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí. Tem interesse nas áreas de Imunofarmacologia, Imunotoxicologia e Imunologia.

Downloads

Publicado

2021-10-23

Como Citar

COUTINHO RODRIGUES, F.; RIBEIRO ATHIE , G.; RODRIGUES DA CUNHA , I.; RODRIGUES CAVALCANTE , D.; FERREIRA COSTA, F.; DE ANDRADE BANDEIRA , F.; COSTA DE ALMEIDA SILVA, M.; ROCHA PARISE , M. Perspectivas sobre protocolos de biossegurança para a realização de aulas práticas em laboratórios. Itinerarius Reflectionis, Goiânia, v. 17, n. 3, p. 51–61, 2021. DOI: 10.5216/rir.v17i3.70331. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/70331. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Médica e Tensões Educacionais