Quando retomar aulas práticas em tempos de pandemia? Indicadores e a viabilização de aulas práticas presenciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v17i3.70328

Resumo

Com o alastramento e os altos índices de infecção e mortalidade devido ao novo coronavírus, países do mundo inteiro tiveram que adequar ao novo cenário de pandemia. No ensino superior, as universidades fecharam as portas e as aulas passaram a ser remotas, sendo que no Brasil em algumas instituições de ensino não há previsão de retorno. As consequências no ensino são diversas, mas cursos como o de medicina, no qual a aprendizagem na prática em contato direto com o usuário de saúde o prejuízo é imensurável. É extremamente importante buscar uma volta às aulas práticas seguras, buscando entender as dificuldades e a situação do município buscando enfrentá-las em conjunto e prestando serviço à comunidade. Neste cenário, este estudo tem como objetivo realizar uma revisão de evidências e experiências locais, nacionais e internacionais sobre o ensino médico em cenários práticos em tempos de pandemia, com vistas a apresentar uma proposta com conjunto de indicadores para subsidiar processo decisório para o retorno de aulas práticas na graduação em medicina. Para tanto, procedeu-se a uma revisão do tipo umbrella em diferentes fontes de dados, no período de abril a maio de 2021. Como resultados, cinco indicadores-chave foram elencados como importantes para o processo decisório sobre a retomada de aulas práticas nos serviços de saúde. Estes indicadores estão apresentados nos seguintes tópicos. A partir disso, a aplicação deles em uma realidade é apresentada, e, então, foi possível concluir que Jataí, sede da Universidade Federal de Jataí, possui um perfil epidemiológico semelhante ao de algumas regiões brasileiras que já implantaram aulas presenciais, como Goiânia e Mato Grosso do Sul, permitindo a reflexão sobre a possibilidade de um possível retorno das atividades presenciais nessa universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Costa de Almeida Silva, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, marcelascosta24@gmail.com

Acadêmica de Medicina na Universidade Federal Jataí, ingresso em 2018/2. Aluna de Iniciação Científica (PIVIC) do projeto EU QUERO com os planos de trabalho:  'Atenção à saúde da criança na atenção básica a partir da percepção das mães" e "Indicadores de saúde materna e infantil do período dos 1000 dias de vida em Jataí, Goiás" (2019/2021). Presidente do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ), 2021,  e vice-presidente da Liga Acadêmica de Telemedicina e Telessaúde (MEDTECH), ciclo 2020/2021. Atuação no projeto de extensão Canal Medicina UFJ e projeto Anatech, na categoria PROVEC. 2° lugar no I Desafio de Inovação da UFJ - com o projeto "Atlas de Histologia". 

Email: marcelacosta@discente.ufj.edu.br - Currículo Lattes 

Maria Eduarda Melo e Silva, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, maria.melo@discente.ufj.edu.br

Acadêmica de Medicina na Universidade Federal de Jataí (UFJ). Atua na Gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ) e como vice coordenadora do IV ciclo da Liga Acadêmica de Medicina de Família e Comunidade da UFJ. Atuou no Programa de Iniciação Científica, Tecnológica e Inovação da UFJ, na modalidade PIVIC.

Ana Elisa Pereira Braga, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, anaelisa_0@discente.ufj.edu.b

Acadêmica do curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí, atualmente no 6° período do curso. É membro da gestão 2021 do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ) pelo departamento de "Conselho das Ligas do Curso de Medicina da Universidade Federal de Jataí". Ademais, é bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica e Desenvolvimento Tecnológico 2020/2021-2021/2022 da Universidade Federal de Jataí (UFJ) com o plano de trabalho intitulado: "Efeitos in vitro e in vivo do óleo essencial de Eremanthus erythropappus rico em alfa-bisabolol e do alfa-bisabolol isolado sobre a resposta imune de camundongos portadores de encefalomielite experimental autoimune". Atuou na Diretoria, na condição de vice-coordenadora, da Liga Acadêmica de Medicina de Família e Comunidade (2019 a 2020), como secretária da Liga Acadêmica de Cardiologia (2020 a 2021) e atualmente, atua como parte da Diretoria, na condição de secretária, da Liga Acadêmica de Emergência e Trauma. Além disso, foi membro da Liga Acadêmica de Cardiologia (2019 a 2021), da Liga Acadêmica de Medicina de Família e Comunidade (2018 a 2020) e da Liga de Emergência e Trauma.

Irena Kuzmiecz Costa, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, ikuzmiecz@discente.ufj.edu.br

Acadêmica de Medicina na Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí. Monitora de Anatomia II no primeiro semestre de 2019, atualmente monitora de Microbiologia I. Membro da diretoria da ONCOLIGA (Liga de Oncologia), sendo coordenadora de pesquisa, e membro da LESC (Liga de Epidemiologia e Saúde Coletiva). Concluiu um ciclo de um ano na LAMFAC (Liga Acadêmica de Medicina da Família e comunidade), além de um ano como membro da ONCOLIGA. Faz parte dos seguintes projetos de extensão: O Toque Pela Vida (Outubro Rosa e Novembro Azul), Grupos de estudo em Anatomia Humana e elaboração de material didático como forma de incentivo a prática docente, Medicina & Arte: um encontro com a vida (versão 2019) e SABER SUS, tendo participado do Dia D do câncer de boca em 2018. Faz Iniciação Científica relacionada à pesquisa EU QUERO Envolvendo Usuários para Melhorias e Direitos de Qualidade (EU QUERO): Fortalecer o sistema de cuidados de saúde materno-infantil nos primeiros 1000 dias de vida no Brasil, com foco na qualidade do serviço de saúde pré-natal a partir das perspectivas das gestantes.

Gabriel Silva Soares, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, gabrielgna@discente.ufj.edu.br

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal de Jataí. Atualmente diretor de pesquisa da Liga Acadêmica de Anestesiologia (LAAD), integrante do Departamento de Administração e Finanças do Centro Acadêmico de Medicina de Jataí (CAMEJ) e bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica 2021/2022 na área de Patologia Médica.

Aridiane Alves Ribeiro, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí, Goiás, Brasil, aridiane@ufj.edu.br

Possui Pós-Doutorado pela Universidade de Southampton, Reino Unido. Realizou Doutorado Sanduíche pela Escola de Saúde Pública e Política Social da Faculdade de Desenvolvimento Social da Universidade de Victoria, British Columbia, Canadá e pelo Programa Interunidades de Doutoramento em Enfermagem da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP. Realizou Mestrado pelo Programa de Pós- Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. É graduada em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. Atualmente, é Docente Adjunta da Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí, onde ministra aulas na área de Saúde Coletiva no Curso de Medicina. Atualmente é coordenadora de grupo do PET - Saúde/Interprofissionalidade.

Downloads

Publicado

2021-10-23

Como Citar

COSTA DE ALMEIDA SILVA, M.; MELO E SILVA, M. E. .; PEREIRA BRAGA, A. E.; KUZMIECZ COSTA, I.; SILVA SOARES, G.; ALVES RIBEIRO, A. Quando retomar aulas práticas em tempos de pandemia? Indicadores e a viabilização de aulas práticas presenciais. Itinerarius Reflectionis, Goiânia, v. 17, n. 3, p. 91–121, 2021. DOI: 10.5216/rir.v17i3.70328. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/70328. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Médica e Tensões Educacionais