AMBIGUIDADES E FRAGILIDADES NAS RELAÇÕES AMOROSAS NA PÓS-MODERNIDADE

Autores

  • Erico Douglas Vieira. Universidade Federal de Goiás - Campus Jatái
  • Márcia s Stengel.

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v2i13.22338

Palavras-chave:

Relações amorosas. Pós-Modernidade. Amor romântico. Amor líquido.

Resumo

RESUMO Este trabalho busca compreender os ideais e as práticas amorosas na Pós-Modernidade. Trata-se de um período marcado por uma forte ênfase em questões como a liberdade individual, a busca de sensações prazerosas e a fruição do momento presente. O amor líquido é um roteiro amoroso criado na Pós-Modernidade, transpondo a lógica das relações de consumo para o relacionamento amoroso, que se não estiver sendo fonte de prazer, é percebido como uma prisão. Ao mesmo tempo ainda há a permanência de alguns ideais românticos, colocando o vínculo amoroso como especial e a possibilidade de grande intimidade com o outro. Interessa compreender como se dá a convivência simultânea de mapas amorosos contraditórios na Pós-Modernidade. Os sujeitos buscam a segurança presente em um vínculo amoroso, mas ao mesmo tempo se ressentem da perda da liberdade e da responsabilidade do compromisso. O contrato entre o casal pode ser quebrado a qualquer momento e precisa ser constantemente negociado. O amor é mais importante do que nunca, mas cada vez mais difícil de realizar-se.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erico Douglas Vieira., Universidade Federal de Goiás - Campus Jatái



Referências

REFERÊNCIAS

BAUMAN, Zygmunt. O Mal-Estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Amor Líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar , 2004.

BIRMAN, Joel. Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CHAVES, Jacqueline. Ficar com - um novo código entre jovens. Rio de Janeiro: Revan, 1994.

CHAVES, Jacqueline. Os amores e o ordenamento das práticas amorosas no Brasil da belle époque. In: Revista Análise Social, vol. XLI, 2006.

CHAVES, Jacqueline. Contextuais e Pragmáticos: Os Relacionamentos Amorosos na Pós-Modernidade / Jacqueline Cavalcanti Chaves. – Rio de Janeiro: UFRJ / Instituto de Psicologia, 2004.x, 212 fls. Tese (Doutorado em Psicologia Social e da Personalidade) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2004.

COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor: estudos sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

GIDDENS, Anthony. A transformação intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. Editora da Universidade Estadual Paulista. São Paulo, 1993.

HEILBORN, Maria Luiza. Dois é par: Gênero e identidade sexual em contexto igualitário. Rio de Janeiro. Editora Garamond, 2004.

LASCH, Cristopher. A cultura do narcisismo: a vida americana numa era de esperanças em declínio. Rio de Janeiro: Imago, 1983.

NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria. Mal-estar na família: descontinuidade e conflito entre sistemas simbólicos. In: Figueira, Sérvulo (org). Cultura da psicanálise. São Paulo: Brasiliense, 1985.

RUSSO, Jane e SANTOS, Tânia Coelho. Psicanálise e Casamento. In: Figueira, Sérvulo e Velho, Gilberto (orgs). Família, Psicologia e Sociedade. Rio de Janeiro: Campus, 1981.

SINGLY, François de. Uns com os outros: quando o individualismo cria laços. Instituto Piaget, Lisboa, 2003.

STENGEL, Márcia. Obsceno é falar de amor? As relações afetivas dos adolescentes. Belo Horizonte: Puc Minas, 2003.

Downloads

Publicado

01-02-2013

Como Citar

Vieira., E. D., & Stengel., M. s. (2013). AMBIGUIDADES E FRAGILIDADES NAS RELAÇÕES AMOROSAS NA PÓS-MODERNIDADE. Itinerarius Reflectionis, 8(2). https://doi.org/10.5216/rir.v2i13.22338

Edição

Seção

Artigos Livres