O processo de escolarização do surdo usuário de libras e seus desafios: revisão de literatura

  • Adriana Ribeiro de Freitas Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil
  • Cláudia Maria Silva Ribeiro Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Goiás), Goiânia, Goiás, Brasil
  • Neuma Chaveiro Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil
Palavras-chave: Surdez e aprendizagem, Surdez e leitura, Surdez e escrita, Escolarização do surdo

Resumo

A política educacional inclusiva objetiva uma educação integradora. Ainda que a Legislação reconheça a Libras como língua oficial dos surdos, essa população encontra dificuldades no processo de escolarização. Assim, este estudo tem como finalidade investigar as principais barreiras enfrentadas pelo surdo no processo de escolarização por meio de uma revisão da literatura, realizada na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) no mês de setembro de 2018. Foram identificadas 19 publicações, categorizadas em quadros nos quais constam autor(es), ano, título, objetivo e conclusão de cada uma das pesquisas encontradas. A ausência de uma comunicação eficaz, as diferenças linguísticas entre a Libras e o português, a falta de adaptação das atividades pedagógicas e o desconhecimento dos impactos da surdez no processo de aquisição da escrita, são apontadas como barreiras para o processo de escolarização do surdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Maria Silva Ribeiro Amaral, Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Goiás), Goiânia, Goiás, Brasil

Cláudia Maria Silva Ribeiro Amaral. Graduada em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica e Goiás/PUC-Goiás. Pós-graduanda em Disfagia com enfoque hospitalar pelo Centro de Estudos Avançado e Formação Integrada/CIAFI. Pós-graduanda em ABA para intervenção em Autismo e Deficiência Intelectual pelo Child Behavior Institute of Miami/CBI of Miami (EAD).

Referências

ALMEIDA, E. O. C. et al. Coesão textual na escrita de um grupo de adultos surdos usuários da língua de sinais Brasileira. Revista CEFAC, v. 12, n. 2, p. 216-222, abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462010000200007 &lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

ALMEIDA, K.; SANTOS, T. M. M. Seleção e adaptação de próteses auditivas em crianças. In: ALMEIDA, K.; IORIO, M. C. M. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. São Paulo: Lovise, 2003. p. 335-53.

ANDRADE, W. T. L. A relação entre oralidade e escrita em língua portuguesa no surdo. 2007. Dissertação (Mestrado) – Universidade Católica de Pernambuco, João Pessoa, 2007.

ANDRADE, W. T. L. et al. Sobre a coesão do texto dos surdos aos olhos dos ouvintes: o uso das marcas de oralidade na escrita. Interação em Psicologia, v. 14, n. 1, p. 13-20, 2010. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/12580.

ARAUJO, C. C. M.; LACERDA, C. B. F. Esferas de atividade simbólica e a construção de conhecimento pela criança surda. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 14, n. 3, p. 427-446, dez. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pid=S1413-65382008000300007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 1º dez. 2018.

ASPILICUETA, P. et al. A questão linguística na inclusão escolar de alunos surdos: ambiente regular inclusivo versus ambiente exclusivamente ouvinte. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 19, n. 3, p. 395-410, set. 2013. Disponível em: http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000300007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

BEHARES, L. Propuesta para la implantación en la educación bilingüe en el sordo. Uruguay: Consejo Nacional de Educación/Consejo de Educación Primaria, 1993.

BOTELHO, P. Linguagem e letramento na educação dos surdos – ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

BRASIL. Decreto Lei nº 5626/2005, de 22 de dezembro de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, 2005.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Coordenação Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. 2012. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficienciareduzido.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Orientações para Implementação da Política de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasil: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17237-secadi-documento-subsidiario-2015&Itemid=30192.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação especial. Coordenação Geral de Planejamento. Números da Educação Especial no Brasil. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/. Acesso em: 10 maio. 2006.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.394, de, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm.

BUFFA, M. J. M. B. O que os pais de crianças deficientes auditivas devem saber sobre a escola. In: BEVILACQUA, M. C.; MORET, A. L. M. (Eds.). Deficiência auditiva: conversando com familiares e profissionais de saúde. São José dos Campos: Pulso, 2005. p.295-306.

CABRAL, G. Perspectivas para uma pedagogia bilíngue: a educação infantil e o ensino fundamental no centro SUVAG de Pernambuco. In: CENTRO SUVAG DE PERNAMBUCO (Org.). Estudos surdos: novas perspectivas. Recife: Centro SUVAG de Pernambuco, 2005. p. 15-27.

CAPOVILLA, F. C. Recursos para educação de crianças com necessidades especiais e articulação entre educação especial e inclusiva. O Mundo da Saúde, v. 32, n. 2, p. 208-214, 2008.

CAPOVILLA, A. G. S.; CAPOVILLA, F. C. Problemas de leitura e escrita: como identificar, prevenir e remediar, numa abordagem fonológica. 4. ed. São Paulo: Memnon, 2004.

CÁRNIO, M. S. et al. Relação entre níveis de compreensão e estratégias de leitura utilizadas por surdos sinalizadores em um programa terapêutico. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 206-212, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-80342010000200010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

CHAVEIRO, N. et al. Instrumentos em Língua Brasileira de Sinais para avaliação da qualidade de vida da população surda. Revista de Saúde Pública, v. 47, n. 3, p. 616-623, jun. 2013. Disponível em: https://scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102013000500616.

CRATO, A. N.; CARNIO, M. S. Marcação de tempo por surdos sinalizadores brasileiros. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, v. 22, n. 3, p. 163-168, set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872010000300002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 1º dez. 2018.

CRUZ, J. I. G.; DIAS, T. R. S. Trajetória escolar do surdo no ensino superior: condições e possibilidades. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 15, n. 1, p. 65-80, abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382009000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

DAVIS, H.; SILVERMANN, R. S. Hearing and deafness. New York: Holt, 1970.

FERREIRA, L. P. Tratado de fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 2004.

FERNANDES, E. Problemas linguísticos e cognitivos dos surdos. Rio de Janeiro: Agir, 1990.

FRYDRYCH, L. A. K. Rediscutindo as noções de arbitrariedade e iconicidade: implicações para o estatuto linguístico da Língua de Sinais. ReVEL, v. 10, n. 19, p. 281-294, 2012.

GAROLLA, L. P.; CHIARI, B. M. Protocolo para avaliação da compreensão de leitura em crianças deficientes auditivas. Pró-Fono: Revista de Atualização Científica, v. 15, n. 3, p. 325-334, 2003.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

GUARINELLO, A. C. et al. O intérprete universitário da Língua Brasileira de Sinais na cidade de Curitiba. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 14, n. 1, p. 63-74, abr. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382008000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

GUARINELLO, A. C.et al. Surdez e letramento: pesquisa com surdos universitários de Curitiba e Florianópolis. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 15, n. 1, p. 99-120, abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382009000100008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

GUARINELLO, A. C.; LACERDA, C. B. F. O grupo de familiares de surdos como espaço de reflexão e de possibilidades de mudança. In: SANTANA, A. P. et al. Abordagens grupais em Fonoaudiologia: contextos e aplicações. 1. ed. São Paulo: Plexus, 2007. p.105-20.

HERMANS, D. et al. Modeling reading vocabulary learning in deaf children in bilingual education programs. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, v. 13, n. 2, p. 155-174, 2008.

KARNOPP, L. B. et al. Cultura surda na contemporaneidade: negociações, intercorrências e provocações. Canoas: Editora da ULBRA, 2011.

LACERDA, C. B. F. A criança surda e a língua de sinais no contexto de uma sala de aula de alunos ouvintes. Relatório Final FAPESP Proc. Nº 98/02861-1, 2000.

MENDES, K. D. S. et al. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, v. 17, n. 4, p. 758-765, out.-dez. 2008.

NADER, J. M. V. A relação da língua materna com o ensino/aprendizagem de crianças surdas. In: SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE, Rede de Informação e Conhecimento. Programa de Aprimoramento Profissional – PAP 2008. São Paulo: BR91.2/WA20/ CDRPAP02, 2008.

NASCIMENTO, G. B.; KESSLER, T. M. Efeitos de oficinas de contar histórias com livros infantis realizadas com familiares de crianças surdas. Revista CEFAC, v. 17, n. 4, p. 1103-1114, ago. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462015000401103&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

NUNES, S. S. et al. Surdez e educação: escolas inclusivas e/ou bilíngues? Psicologia Escolar e Educacional, v. 19, n. 3, p. 537-545, dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572015000300537&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 1º dez. 2018.

PAULA, L. S. B. de. Cultura escolar, cultura surda e construção de identidades na escola. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 15, n. 3, p. 407-416, 2009.

PEIXOTO, R. C. Algumas considerações sobre a interface entre a língua brasileira de sinais (LIBRAS) e a língua portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda. Caderno Cedes, v. 26, n. 69, p. 205-229, 2006.

PEREIRA, M. C. Discutindo o uso da sintaxe por estudantes surdos. In: BERBERIAN, A. P. et al. Linguagem escrita: referenciais para a clínica fonoaudiológica. São Paulo: Plexus, 2002. p. 111-124.

PEREIRA, V. A.; ALMEIDA-VERDU, A. C. M. Avaliação do ler e do escrever de surdos pela língua brasileira de sinais. Psicologia: teoria e prática, v. 14, n. 2, p. 15-27, ago. 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872012000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

PEREIRA, M. C. C.; VIEIRA, M. I. S. Bilinguismo e educação de surdos. Revista Intercâmbio, v. 19, p. 62-67, 2009.

PINOTTI, K. J.; BOSCOLO, C. C. A dramatização como estratégia de aprendizagem da linguagem escrita para o deficiente auditivo. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 14, n. 1, p. 121-140, abr. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382008000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

QUADROS, R. M. O ‘BI’ em bilingüismo na educação de surdos. In: FERNANDES, E. Surdez e bilingüismo. Porto Alegre: Mediação, 2005. p.26-36.

QUADROS, R. M. de. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão. Ponto de Vista, n. 5, p. 81-111, 2003.

QUINTANO-NEIRA, P. R. N.; CÁRNIO, M. S. Caderno ilustrado de verbos: um recurso pedagógico para o desenvolvimento da Língua portuguesa. Barueri, SP: Pró-Fono, 2005.

SÁ, N. R. L. Surdos: qual escola? Manaus: Editora Valer e Edua, 2011.

SANTOS, S. L. R.; ALMEIDA-VERDU, A. C. M. Leitura em uma criança surda após equivalência de estímulos. Psicologia em Revista, v. 18, n. 2, p. 209-226, ago. 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682012000200004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

SCHEMBERG, S. et al. O. As práticas de letramento na escola e na família no contexto da surdez: reflexões a partir do discurso dos pais e professores. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 15, n. 2, p. 251-268, ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382009000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

SILVA, M. P. M. A construção de sentidos na escrita do aluno surdo. São Paulo: Plexus, 2001.

WELTER, G. et al. Intervenções e metodologias empregadas no ensino da escrita e leitura de indivíduos surdos: revisão de literatura. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, n. 3, p. 459-470, set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1413-65382015000300459&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2018.

Publicado
27-11-2019
Como Citar
Freitas, A. R. de, Amaral, C. M. S. R., & Chaveiro, N. (2019). O processo de escolarização do surdo usuário de libras e seus desafios: revisão de literatura. Revista Sinalizar, 4. https://doi.org/10.5216/rs.v4.59340
Seção
Artigos