O papel do tradutor-intérprete de libras em sala de aula inclusiva

  • Letícia Jovelina Storto Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Jacarezinho, Paraná, Brasil
  • Deisiane Neves Menezes Universidade Norte do Paraná (UNOPAR),Londrina, Paraná, Brasil
  • Leila Cristina Matias Universidade Norte do Paraná (UNOPAR),Londrina, Paraná, Brasil
  • Margarete Cristina Morais Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo – (IFSP), campus Araraquara
  • Solange de Souza Monteiro Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo – (IFSP), Araraquara, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Ensino, Inclusão, Libras, Tradutor-intérprete de Libras

Resumo

Este trabalho tem como objetivo principal pesquisar sobre o papel do tradutor-intérprete de Libras em sala de aula inclusiva. Para tanto, foram realizadas pesquisas bibliográfica e de campo, utilizando-se um questionário como instrumento de coleta de dados. O questionário foi elaborado para que se obtivessem informações sobre aspectos da formação e da atuação desses profissionais, que têm se tornado cada vez mais necessários em tempos de inclusão. A pesquisa revelou que, do ponto de vista dos entrevistados, o ensino regular tem sido benéfico aos surdos, proporcionando-lhes melhores condições de aprendizagem e desenvolvimento, embora alguns professores e agentes de educação ainda não estejam preparados para receber esses alunos de forma adequada, em turmas regulares da educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange de Souza Monteiro, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo – (IFSP), Araraquara, São Paulo, Brasil

Mestra em Processos de Ensino, Gestão e Inovação pela Universidade de Araraquara - UNIARA (2018). Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras Urubupunga (1989). Possui Especialização em Metodologia do Ensino pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras Urubupunga (1992). Trabalha como pedagoga do Instituto Federal de São Paulo campus São Carlos(IFSP/Câmpus Araraquara-SP). Participa dos núcleos: -Núcleo de Gêneros e Sexualidade do IFSP (NUGS); -Núcleo de Apoio ás Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE). Desenvolve sua pesquisa acadêmica na área de Educação, Sexualidade e em História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena e/ou Relações Étnico-raciais.

Referências

ALMEIDA, Elomena Barbosa. O papel de professores surdos e ouvintes na formação do tradutor-intérprete de língua brasileira de sinais. 2010. 111 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2010.

BRASIL. Programa e-Cidadania. Libras como disciplina na escola pública. Sugestão n, 15, de 2018. (2018b). Disponível em: <https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/133903>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Libras pode se tornar disciplina obrigatória nas escolas públicas. (2018b, 05/10/2018, atualizado em 08/10/2018). Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/10/05/libras-pode-se-tornar-disciplina-obrigatoria-nas-escolas-publicas>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece

as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras

providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Direito à educação: subsídios para a gestão dos sistemas educacionais: orientações gerais e marcos legais. 2.ed. Org. de Ricardo Lovatto Blattes. Brasília MEC, SEESP, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/direitoaeducacao.pdf>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10098.htm>. Acesso em: dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7853.htm>. Acesso em: dez. 2018.

FILIETAZ, Marta R. Proença. Atuação do tradutor e intérprete de língua de sinais/ língua portuguesa no IES. 2008. Disponível em: <http://www.uel.br/eventos/seminariosurdez/pages/arquivos/palestra_mesa_03_01.pdf>. Acesso em: dez. 2018.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. Tradutores e intérpretes de Língua Brasileira de Sinais: formação e atuação nos espaços educacionais inclusivos. Cadernos de Educação, FaE/PPGE/UFPel, Pelotas, n.36, p.133-153, maio/agosto 2010.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2003.

PERLIN, Gladis. A cultura surda e os intérpretes de Língua de Sinais. Educação Temática Digital - ETD. Campinas, v.7, n.2, p.135-146, jun. 2006.

PETTER, Margarida. Linguagem, língua, linguística. In: FIORIN, José Luiz (Org.). Introdução à Linguística. 5.ed. São Paulo: Contexto, 2004, p.11-24.

QUADROS, Ronice Muller de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa: Programa Nacional de Apoio a Educação de Surdos. Brasília: MEC; SEESP, 2004. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorlibras.pdf>. Acesso em: dez. 2018.

ROCHA, Solange Maria da. Antíteses, díades, dicotomias no jogo entre memória e apagamento presentes nas narrativas da história da educação de surdos: um olhar para o Instituto Nacional de Educação de Surdos (1856/1961). 2009. 160 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009.

ROSA, Andrea da Silva. Entre a visibilidade da tradução da língua de sinais e a invisibilidade da tarefa do intérprete. Campinas, SP: Arara Azul, 2005.

UNIVERSIDADE DE SANTA CATARINA. Coleção Letras-Libras: eixo formação básica: unidade 4: fonologia da língua de sinais. Disponível em: <http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoBasica/foneticaEFonologia/scos/cap15009/2.html>. Acesso em: dez. 2018.

Publicado
02-10-2019
Como Citar
Storto, L. J., Menezes, D. N., Matias, L. C., Morais, M. C., & Monteiro, S. de S. (2019). O papel do tradutor-intérprete de libras em sala de aula inclusiva. Revista Sinalizar, 4. https://doi.org/10.5216/rs.v4.56444
Seção
Artigos